Brasil já exportou mais de 7 milhões de toneladas de soja no acumulado de março, informa Secex

Publicado em 22/03/2021 16:17

LOGO nalogo

As exportações de soja do Brasil nas três primeiras semanas de março totalizaram 7,7 milhões de toneladas, de acordo com os números da Secex (Secretaria de Comércio Exterior) nesta segunda-feira (22). O volume evoluiu de forma considerável em relação à semana anterior, quando o acumulado chegava a pouco mais de 5 milhões. 

O montante da oleaginosa brasileira já embarcada se aproxima do total embarcado em todo março de 2020 de 10,853 milhões de toneladas. A média diária embarcada nesta última semana foi de 507,9 mil toneladas, contra pouco mais de 493 mil de março do ano passado. 

Nas imagens abaixo é possível observar a intensificação do fluxo de navios carregados com soja saindo do Brasil do dia 5 para 19 de março. 

Fluxo de navios com soja - 19 Março 2021

Fluxo de navios com soja - 5 Março 2021

É possível comparar ainda, nas imagens compiladas pela analista internacional de commodities Karen Braun, com os mesmos períodos em março de 2020 e 2019. 

Fluxo de navios com soja - Março 2020

Fluxo de navios com soja - Março 2019

A melhora dos embarques de soja no Brasil tem se dado diante da combinação de uma melhor evolução da colheita e das condições de clima mais favoráveis para a logística nos principais pontos do país, permitindo um escoamento mais eficiente da safra. Na safra 2020/21, o que exige monitoramento agora é a conclusão da temporada no Rio Grande do Sul, onde a falta de chuvas agora preocupa. 

"O mercado da soja nesta nova semana verá a colheita se encaminhando para a fase final em grande parte das regiões, restando apenas a safra gaúcha que é a que se planta mais tarde. E este se plantou ainda mais tarde devido à falta de chuvas no começo da temporada", explica Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting. 

Assim, o que ainda se observa são os produtores focados na entrega e no cumprimento de seus contratos firmados antecipadamente e grandes volumes do grão sendo levados para os portos. 

"Há pouco fôlego para grandes negócios no curto prazo porque os compradores nos portos seguirão
com interesse em soja de junho em diante. Assim, há pouco interesse para o curto prazo e os vendedores que aparecerem terão intenção de
venda curta para fazer caixa. Desta forma, o mercado seguirá com fechamentos atrelados à demanda doméstica e pouco para o futuro", diz Brandalizze.

Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário