China deve aumentar importações de soja; preços voltam a subir

Publicado em 11/11/2010 11:44 e atualizado em 11/11/2010 14:18
1235 exibições
Depois do recuo dos preços vistos nesta quarta-feira, a soja voltou a operar em terreno positivo na sessão de hoje. O avanço das cotações se dá por conta de especulações de que a China, o maior comprador mundial da commodity, pode aumentar suas importações de modo a reduzir preços dos alimentos no mercado local.

As compras chinesas podem ter um aumento de 39% em relação ao último mês e alcançar as 5,2 milhões de toneladas em novembro, informou o Centro Nacional de Informações sobre Grãos e Óleos da China (CNGOIC). Em outubro, os preços dos alimentos subiram 10,1% no país. Este foi o maior avanço desde agosto de 2008.

"As compras da China definitivamente estão registrando números muito fortes", disse Luke Mathews, estrategista de commodities do Commonwealth Bank of Australia.

Economia  - A China pode permitir a valorização do yuan em aproximadamente 5% nos próximos 12 meses reduzindo os custos de importação e promovendo um recuo da inflação de cerca de 0,3%. Os preços ao consumidor subiram mais do que os 4,4% previstos e registram o maior patamar em dois anos.

Safra brasileira

A produção de soja no Mato Grosso, o principal estado produtor do Brasil, não deverá apresentar alterações para o próximo ano. Esta é a primeira vez que a safra não irá registrar crescimento. Isso acontece depois que a estiagem no país atrasou o plantio e estimulou os produtores a favorecerem a cultura do algodão.

Em 2011, o Mato Grosso, que corresponde por cerca de 30% da oleaginosa brasileira,  irá colher aproximadamente 18,8 milhões de toneladas . O volume, segundo Glauber Silveira, presidente da Aprosoja, é o mesmo do ano anterior.

De acordo com números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), a previsão é de que o Brasil reponda por 32% das exportações mundiais de soja e deverá colher 67,5 milhões de toneladas. O país é o segundo maior produtor e exportador mundial da oleaginosa.

Na sessão diurna, por volta de 13h40, horário de Brasília, o vencimento novembro valia US$13,13 com alta de 3,75 pontos e o dezembro valia US$ 13,33 avançando 5,25 pontos.

Com informações da Bloomberg
Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário