Economia mundial preocupa e grãos operam em baixa

Publicado em 04/08/2011 11:53 e atualizado em 04/08/2011 12:28 1041 exibições
Mais um dia de baixas para o complexo de grãos na Bolsa de Chicago. Nesta quinta-feira, soja, milho e trigo fecharam o pregão noturno com baixas de dois dígitos nos principais vencimentos refletindo o delicado momento da economia mundial.

A ameaça que agora ronda a economia dos Estados Unidos e a possiblidade de uma recessão no país, que poderia comprometer o desempenho de sua atividade econômica. O cenário traz, novamente, mais aversão ao risco e agentes migrando para ativos mais seguros, acelerando as perdas nas commodities.

As preocupações com a economia da Zona do Euro, como a Grécia, a Itália e a Espanha, entre outros, também exerce pressão negativa. As atenções do mercado financeiro também se voltam para o Japão e a Turquia, que já começam a sinalizar pacotes de medidas para tentar conter a alta de suas moedas, o iene e a lira, respectivamente.

Alguns analistas acreditam que esses temores que vêm assolando a economia mundial e a alta dos preços causada por um rally do dólar poderiam ocasionar um desaquecimento da demanda e também pressionar negativamente os preços.

Entre os fundamentos dos grãos negociados na CBOT, o clima nos Estados Unidos permanece em segundo plano. A meteorologia mantém a previsão de chuvas na região do Meio-Oeste norte americano para os próximos dias, condições que também são negativas para o mercado.

Ainda como fator de baixa, o relatório de exportações semanais divulgados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) nesta quinta-feira apresentou números de cancelamentos de compra acima das vendas da safra 2010/11. Porém, por outro lado, as exportações da temporada 2011/12 superaram o volume esperado.

Por volta das 11h50 (horário de Brasília), os principais vencimentos da soja negociados em Chicago somavam mais de 14 pontos de queda. O trigo perdia mais de 12 pontos por bushel e o milho quase 8 pontos.

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário