Chicago: Soja despenca mais de 50 pts e fecha semana no vermelho

Publicado em 30/09/2011 16:35 e atualizado em 30/09/2011 17:20 1370 exibições
Os grãos terminaram o mês de setembro despencando na Bolsa de Chicago nesta sexta-feira. Os preços da soja, do milho e do trigo fecharam o mês acumulando sérias perdas e perdendo importantes patamares. O mercado marcou mais um dia de liquidação de fundos em um momento de final de mês, final de trimestres e cenário macroeconômico bastante complicado e incerto.

A soja encerrou as negociações com baixas de mais de 50 pontos nesta sexta-feira sentindo o peso das incertezas sobre o futuro da economia global. Os investidores estão resgatando dinheiro dos fundos e, em função disso, saindo de suas posições, favorecendo ainda mais o movimento de queda dos preços.

Analistas explicam que os traders não querem manter-se posicionados em mercados expostos podendo sofrer o risco de um impacto deste quadro macroeconômico desfavorável. Essa ampliação da aversão ao risco, portanto, fez com que os investidores migrassem para ativos mais seguros, deixando para trás as commodities - que são bastante voláteis - principalmente as agrícolas.

Diante destes fatores, o temor mais uma vez de um desaquecimento da demanda, ligado a uma economia mais frágil, volta a rondar o mercado de matérias primas e a gerar perdas na casa dos 50 pontos com as vistas na sessão de hoje.

Com isso, nem mesmo os dados do relatório trimestral de estoques divulgado hoje pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) de reservas de soja abaixo das expectativas foram capazes de dar suporte aos preços.

O boletim veio altista para a oleaginosa, mas bastante baixista tanto para o milho quanto para o trigo e isso acabou pressionando demais os preços dos dois grãos - que fecharam com mais de 40 e mais de 30 pontos de baixa, respectivamente - com estoques em 1º de setembro bem acima das expectativas do mercado e com o milho no limite de baixa. O declínio também puxou a soja para baixo e contribuiu para a queda livre das cotações.

As reservas mais altas do que se esperava confirmam a fraqueza da demanda que vem sendo temida pelo mercado, mesmo que implicitamente, e pressiona também. Ainda entre os fundamentos, a evolução da colheita norte-americana age como outro fator negativo para o complexo de grãos.

Veja como ficaram as cotações no fechamento da Bolsa de Chicago:

>> SOJA

>> MILHO

>> TRIGO

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário