China vive "era de ouro" do consumo e aumenta importações de soja e milho

Publicado em 26/10/2011 07:12 e atualizado em 26/10/2011 08:01 992 exibições
A China, segundo maior consumidor mundial de milho, deverá aumentar suas importações em quatro vezes frente a um incremento da demanda por carne enquanto o país entra em uma "era de ouro" do consumo", informou o banco Morgan Stanley.

De acordo com a instituição financeira, na temporada 2011/12, as compras chinesas de milho podem aumentar e chegar a 4 milhões de toneladas, enquanto, no ciclo anterior, as importações foram de 1 milhão de toneladas. Já as compras de soja devem ser de 57 milhões de toneladas.  

Já para a safra 2012/13, o Morgan Stanley estima compras de milho em 5,4 milhões de toneladas, e para o ciclo seguinte, 9,4 milhões de toneladas. Já as importações da oleaginosa poderiam alcançar as 70 milhões de toneladas na tempora 12/13.

O aumento das vendas para a nação asiática poderiam conter as baixas nos preços da soja neste ano, que já somam 12% nos futuros negociados na Bolsa de Chicago. Além disso, ainda poderiam reforçar a alta de 4,1% no caso do milho, também na CBOT.
 
O aumento da renda e a melhora dos hábitos alimentares na China, que tem quatro vezes a população dos Estados Unidos, está ampliando o consumo maior de alimentos no país.

"A China está entrando nessa era de ouro do consumo diante desse aumento da renda e da baixa das taxas de pobreza", disseram analistas do Morgan Stanley.

Com informações da Bloomberg

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Liones Severo Porto Alegre - RS

    Verdade, verdadeira - E nosso Ministro está preocupado com a desaceleração da China. Com a população 7 vezes maior que o Brasil, a China tem os mesmos 30 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza que o Brasil. Insisto, nós brasileiros temos que processar melhor as informações falsas que nos vendem. Ademais não é falando mal da casa do vizinho que vamos resolver os problemas de nossa casa. A unificação da zona do Euro é claramente uma tentativa de copiar o modelo chinês, lembrando que para chegar aonde chegou a China passou grandes dificuldades, assim como, podemos esperar o mesmo da Comunidade Europeia. Sigam nossas façanhas...

    0