Produção de açúcar no Centro-Sul na 2ª quinzena de setembro deve cair 23,3%, projeta Platts

Publicado em 13/10/2021 09:50
Unica divulgará nesta manhã de quarta-feira os dados oficiais referentes ao período

Logotipo Notícias Agrícolas

A região Centro-Sul do Brasil na segunda quinzena de setembro deve totalizar 2,198 milhões de toneladas de produção de açúcar, com queda de 23,3% no comparativo anual, segundo expectativas de analistas consultados em pesquisa feita pela S&P Global Platts em 8 de outubro.

“A redução na estimativa da produção de açúcar pode ser atribuída em grande parte ao segundo ano consecutivo de chuvas abaixo da média histórica na região CS, resultando em queda na produtividade agrícola”, destacou a Platts em informativo. A moagem na safra deve terminar em novembro.

O ATR (Açúcar Total Recuperável) também deve cair para 154,9 kg/t, de 161,18 kg/t na segunda quinzena de setembro de 2020, de acordo com a pesquisa. A média dos últimos cinco anos é de 152,76 kg/t.

A moagem de cana-de-açúcar na segunda quinzena do mês deve totalizar 34 milhões de t, segundo a estimativa da Platts, com queda de 15,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, o que sugere que de fato a safra está chegando ao final antes do que o habitual.

Dos 11 analistas pesquisados, a estimativa de esmagamento variou de 31,9 milhões de t a 36,5 milhões de t. “Se as estimativas dos analistas estiverem corretas, este será o menor volume de cana moído em qualquer segunda quinzena desde a safra 2014/15, quando 28,81 milhões de t foram moídas.

No acumulado de 2021/22, considerando a segunda quinzena de setembro, a moagem totalizaria 464,97 milhões de t, uma redução de 7,35% em relação ao mesmo período de 2020. O mix de açúcar no período deve ser menor do que no ano anterior em 44,4%, ante 46,2% em 2020.

“A forte preocupação do mercado com a disponibilidade do etanol e a constante alta do preço do biocombustível podem ser os principais motivos para a decisão do mix de açúcar no período”, destaca a fornecedora de informações de energia.

Apesar do mix de açúcar inferior ao ano anterior, os produtores do Centro-Sul devem continuar maximizando a produção de açúcar na próxima safra, já que o adoçante ainda está pagando um prêmio maior no mercado de exportação em relação ao etanol hidratado no mercado interno.

A avaliação média do etanol hidratado da Platts convertido em açúcar bruto equivalente aos últimos 15 dias de setembro foi de US$ 18,29 c/lb, enquanto a liquidação média do mercado futuro de açúcar ICE NY11 foi de US$ 19,17 c/lb, apontando para um prêmio de exportação médio de US$ 0,88 c/lb para o etanol hidratado doméstico.

Com a expectativa de menor volume de cana moída e ATR, com ligeiro aumento do mix de etanol para 55,6%, ante 52,7% no ano anterior, o volume total de etanol produzido deverá despencar 20% no ano, para 1,83 bilhão litros.

A produção de etanol hidratado - usado como biocombustível autônomo E100 no Brasil - é esperada em 1,08 bilhão de litros na metade de setembro, queda de 26,1% no ano, enquanto a produção de etanol anidro no mesmo período deve chegar a 780 milhões de litros, queda 4,9% ao ano.

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) divulgará nesta manhã de quarta-feira os dados oficiais referentes à segunda quinzena de setembro.

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário