USDA: Vendas semanais de soja ficam dentro do esperado e as de trigo superam expectativas

Publicado em 08/07/2016 14:42 e atualizado em 08/07/2016 15:51
181 exibições

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou, nesta sexta-feira (8), seu novo reporte semanal de vendas para exportação e o destaque, dessa vez, foram os números do trigo. 

Na semana encerrada em 30 de junho, as vendas norte-americanas do cereal somaram 825,3 mil toneladas do ano comercial 2016/17, enquanto as expectativas variavam de 400 mil a 600 mil toneladas. Os maiores compradores, entretanto, foram destinos não revelados. As vendas para exportação desta temporada estão 36% acima do registrado no mesmo período do ano passado e o volume total desse ano safra deverá ser 16,1% maior do que o anterior. 

Complexo Soja

As vendas semanais de soja dos EUA vieram fortes, porém, dentro das projeções do mercado. Entre safras velha e nova, o total foi de 1,223 milhão de toneladas, sendo 637,3 mil toneladas da temporada 2015/16 - 14% a mais do que na semana anterior - e 585,7 mil da 2016/17. As expectativas para a oleaginosa variavam de 900 mil a 1,3 milhão de toneladas. Com o volume anunciado nesta sexta, as vendas americanas da safra 2015/16 já superam em 2% as da temporada anterior. 

Já as vendas semanais de farelo de soja ficaram aquém do esperado. Enquanto o mercad apostava em algo entre 100 mil e 300 mil toneladas, as operações foram com 89,3 mil toneladas, sendo 77,4 mil da safra velha e mais 6,5 mil da safra nova. 

O USDA informou ainda que os EUA venderam também 58,1 mil toneladas de óleo de soja, volume dentro das expectativas dos traders, que eram de 20 mil a 65 mil toneladas. Do total, 18,1 mil da safra 2015/16 e 40 mil da 2016/17. 

Milho

O reporte semanal trouxe ainda as vendas semanais de 813 mil toneladas de milho, número que ficou abaixo do intervalo de 900 mil a 1,3 milhão de toneladas esperado pelo mercado. Da safra 2015/16 foram 369,8 mil toneladas, a maior parte destinada a Taiwan, e 443,2 mil do ano comercial 2016/17, onde o Japão foi o maior comprador. 

Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário