Grãos: Produtores acompanham com atenção chuvas nos EUA e desenvolvimento da safra americana 2015/16

Publicado em 18/06/2015 08:58 e atualizado em 18/06/2015 10:02
1087 exibições
Grãos: Produtores brasileiros acompanham com atenção o excesso de chuvas no Meio-Oeste americano e o desenvolvimento da nova safra de soja e milho dos Estados Unidos. Os campos estão alagados, o sistema radicular comprometido e previsões indicam mais chuvas. Produtividade, segundo especialistas, pode cair.

O excesso de chuvas no Meio-Oeste americano têm deixado os produtores brasileiros em alerta para o desenvolvimento da nova safra dos Estados Unidos.

Nos últimos oito ou nove dias o centro-oeste americano já recebeu quase 180 mm de chuvas e a perspectiva é de que nos próximos sete dias o volume de chuvas possa ficar entre 127 a 177 mm em partes do Meio-Oeste e no centro das Planícies.

No entanto, após duas sessões consecutivas de altas, na manhã desta quinta-feira (18), os principais vencimentos da soja na Bolsa de Chicago perdem de 3 a 4 pontos, por volta das 09h40. De acordo com o jornalista, João Batista Olivi, esse movimento de baixa é reflexo do anúncio do Federal Reserve (FED) nesta quarta-feira, que "não pretendem elevar as taxas de juros neste ano, pois a economia não está boa", declara.

Essas informações foram acolhidas pelo mercado, e resultaram nas quedas registradas na abertura do mercado nesta quinta-feira.

 

Pecuária RS

João Batista trouxe também informações sobre a pecuária do Rio Grande do Sul, direto da cobertura do Fórum Permanente do Agronegócio - De Onde Virão os Alimentos? - O Desafio do Futuro, realizado pela Farsul (Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul).

Segundo ele, a arroba do boi angus está cotada na região a R$ 168,00/@. Esses preços elevados na pecuária são causados pela falta de oferta no estado. "A pecuária gaucha vive de altos e baixos, por isso é normal esses períodos de dois a três meses de alta, principalmente porque os pastos estão sendo trocados pela soja", explica João Batista.

Tags:
Por: Carla Mendes e Larissa Albuquerque
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário