Alysson Paolinelli diz que estamos numa encruzilhada, e que precisamos encontrar um caminho, urgente...

Publicado em 27/07/2018 16:13 e atualizado em 29/07/2018 10:04
4528 exibições
Diante do desalento, fomos ouvir o "aconselhamento" do ex-ministro Alysson Paolinelli
Alysson Paolinelli - ex-ministro e decano da Agricultura

Podcast

Entrevista com Alysson Paolinelli - Presidente Executivo da Abramilho

Download

LOGO nalogo

Durante o Global Agribusiness Forum (GAF), o jornalista João Batista Olivi, do Notícias Agrícolas, conversou com o presidente executivo da Abramilho, Alysson Paolinelli, a respeito da situação do país neste momento.

Ele, que é ex-ministro da Agricultura, diz ver a situação com "preocupação". Para ele, nunca tivemos tantas oportunidades como tivemos agora, com conquistas de mercado e de conhecimento, mas que "não está vendo de forma clara onde o país é gerado".

Para Paolinelli, grande parte da população brasileira está desalentada. O Brasil hoje, de um lado, mostrou o seu potencial, avalia ele, mas, no entanto, há uma "bagunça interna na administração pública".

Confira a entrevista completa no vídeo acima.

General alerta para apreensão de militares se houver indulto a Lula (em O Globo/O Antagonista)

O general Augusto Heleno, um dos principais conselheiros de Jair Bolsonaro, afirmou que a possibilidade de um indulto a Lula geraria “apreensão” nas Forças Armadas, informa O Globo.

“Vejo com preocupação decisões com relação ao Lula que fujam do que está na lei. Manobras artificiais, conchavos e artimanhas que sejam montadas para favorecer gente condenada em segunda instância são vistas com apreensão muito grande com relação a consequências que teriam em setores sérios da sociedade, como as Forças Armadas”, disse Heleno.

Já faz tempo que O Antagonista vem noticiando: os militares não veem com bons olhos nenhuma manobra para que, em favor de Lula, não se cumpra a lei.

Nem Lula, nem regime militar (O Antagonista)

O general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, comandante militar do Sudeste, disse que “a lei tem de ser cumprida, independentemente de quem está sendo atingido por ela”.

E mais:

“Não podemos transigir com as leis vigentes, buscando atender a interesses pessoais ou até mesmo político-partidários. Todos nós, militares ou civis, estamos sob o jugo do império da lei”.

Não há atalho para Lula. E não há atalho para o golpe militar.

VÍDEO: Deltan critica voto nulo como ato de protesto

Deltan Dallagnol publicou no Facebook um vídeo em que comenta o voto branco ou nulo.

“Será que o voto branco e nulo, como voto de protesto, vai mudar o nosso país?”

Clique abaixo para assistir ao vídeo:

Dia 28 de julho: Dia do Agricultor. Mais um motivo para celebrar, ou lamentar? Por Ciro Rosolem

Talvez tenha sido a greve mais simpática... Adesão total! Um povo que não compreende o alcance dos atos praticados... Com orgulho o “Eu apoio os caminhoneiros” era ostentado em adesivos. E agora José? O que ficou desta greve? Caminhoneiros felizes? Nem tanto. Melhoria no transporte? Definitivamente não. População melhor atendida? Não, certeza absoluta.

Aparentemente se resolveria tudo um o tabelamento de fretes. Já se disse que para todo problema sério há uma solução simples, barata e...errada. Pois é, mais uma vez fomos por aí. Tabelamento nunca resolveu, não adianta, temos experiência histórica com isso, desde antes das “viúvas do Sarney”, lembram-se? Confisco de bois no pasto, lembram-se? Mas, o que tem tudo isso a ver com a greve dos caminhoneiros? Não foi tudo resolvido com o tabelamento? Vejamos.

Alguns exemplos da solução fácil do tabelamento de fretes: em Mato Grosso, somente um terço do adubo para a próxima safra foi entregue até agora, comparando-se com o ano passado; na Bahia, a situação não é diferente; no Paraná encontra-se comprometida 40 % da distribuição de insumos, incluindo os corretivos e fertilizantes; não há espaço para o milho colhido em segunda safra, pois a soja que deveria ter sido transportada ainda ocupa os armazéns. Tudo isso a menos de dois meses do início da safra. É bom lembrar que, tecnicamente falando, corretivos devem ser aplicados pelos menos 60 dias antes da semeadura. A venda futura de soja, um importante mecanismo de financiamento do produtor, está travada. Resultado de tudo isso? Atraso na semeadura, menor produtividade, safrinha de milho comprometida, menor área cultivada e, com certeza, uma safra mais cara. Quem vai pagar? Além do prejuízo dos produtores, os consumidores pagarão mais caro. Mais inflação, mais desemprego no campo.

O tabelamento de frete por quilômetro rodado parece razoável. Só que não. Se for estrada de terra, com barro? Se for asfalto com buracos? Se for carreta? Se for rodotrem? E o retorno como fica? O transportador ganha duas vezes? É impossível prever todas as possibilidades, é impossível tabelar.

E já lá se vão meses...E não se resolve a questão. Os preços que aumentaram nos supermercados não voltaram ao nível pré-greve, nem vão voltar. As consultorias já modificaram, para baixo, a previsão de produção agrícola na próxima safra, o Banco Central já refez, para maior, os cálculos da inflação, e para menos, a previsão de crescimento do Brasil. Certamente os agricultores têm, este ano, um acontecimento a menos para celebrar, assim como os consumidores. Tudo bem, estamos mesmo acostumados a pagar por erros e mais erros do governo. Está sendo apenas mais um. Até quando?

BARRAR O INTRUSO??!! (por PERCIVAL PUGGINA, na GAZETA DO POVO)

A vigilante mídia brasileira se espanta mais com a adesão de uma quarta parte da população às posições conservadoras do candidato Bolsonaro do que com a adesão de um terço dessa mesma população às condutas moralmente corrosivas e economicamente destrutivas de um criminoso condenado, réu em meia dúzia de outros processos cujo denominador comum é a promíscua relação pessoal com grandes empresas que prosperam à sombra do Estado.

Qual o motivo do estresse em que se envolveu o circo político-partidário nacional nas últimas semanas? Tratava-se, visivelmente, de barrar a presença de um intruso, um outsider, uma zebra que entrou no picadeiro eleitoral com ponderável estoque de intenções de voto.

É fácil compreender o desconforto que isso causa. As forças políticas tradicionais, que degustaram os canapés do poder ao longo dos últimos trinta anos não sabem como operar com intrusos. Habituaram-se a atuar como corretoras de votos parlamentares e operadoras de verbas públicas legítima e ilegitimamente coletadas. Todo intruso é risco e todo risco tem preço, sabem os aprendizes do mercado de capitais.

É verdade o que intuem. Bolsonaro é um intruso e, como tal, fator de risco. No entanto, esses mesmos partidos que somam letrinhas para encorpar a sopa, gastaram e continuam gastando seu tempo – e em muitos casos, longo tempo – cuidando de cargos e negócios. Em vez de ouvirem as vozes mais sensatas da opinião pública, de abrirem quadros e mentes para a renovação exigida pela sociedade, em vez de compreenderem seus anseios, fecharam-se no entorno de elites decadentes e, em muitos casos, totalmente desmoralizadas. Deram as costas para os interesses nacionais e para os clamores por responsabilidade e equilíbrio fiscal. Lançaram e deixaram que fossem lançados pela janela dos interesses mais escusos valores monetários duramente produzidos pelo trabalho dos cidadãos. Jogaram e continuam jogando o país no caos. Não ouviram os liberais e se afastaram dos conservadores que, juntos, formam folgada maioria do eleitorado.

Bolsonaro representa um risco? Sim, há risco em toda eleição presidencial. Viver sob esse modelo político é como rodar em estrada esburacada – anda-se devagar e aos solavancos. Pneus estouram. Há candidatos de risco e candidatos sabidamente catastróficos. Quem confia no centrão ou no Ciro “tarja preta” Gomes, não deve atravessar a rua desacompanhado.

Em política, muito do que se é resulta definido pelo que se combate. Reitero ser ainda cedo para opções eleitorais definitivas. Na minha planilha, chegou a hora de marcar quem combate quem e o quê. Isso tem seu lado divertido e seu lado desolador. É divertido observar o descaramento das negociações que distribuem terrenos na lua do poder. É desolador o confinamento da maioria do eleitorado. (Por Percival Puggina).

COMO ACABAR COM O JOGO DE CARTAS MARCADAS DA POLÍTICA BRASILEIRA?

Por Roberto Rachewsky, publicado pelo Instituto Liberal

A democracia brasileira está a serviço do Estado e não dos indivíduos que compõem a sociedade. O processo eleitoral e as instituições ditas republicanas servem para manter a sociedade à mercê e a serviço do Estado. Até então, com raríssimas exceções, pudemos ver que aqueles que buscam penetrar no círculo fechado do poder estatal, para lá vão com o intuito de se aproveitar dele para poderem manter um nível de qualidade de vida superior.

No Brasil, nunca se viu qualquer movimento coordenado para acabar com a escravidão consentida, a submissão sancionada pelas vítimas que tentam manifestar suas vontades através do sistema democrático, sabidamente viciado por instituições pervertidas.

O jogo do poder no Brasil é feito com cartas marcadas, não bastará mudar a retórica, reescrever a narrativa, será necessário colocar a estrutura político-institucional abaixo, para construir sobre ela uma nova matriz, fundamentada em princípios outros, como aqueles que permitem que uma sociedade seja composta de indivíduos livres e independentes, não submetidos, incondicional e indevidamente, à coerção do Estado, mas também não premiados pela indolência do Estado quando alguns desses mesmos indivíduos usam de força ou de fraude para ganhar o que não lhes compete.

Um Estado que tudo pode, precisa de uma sociedade servil que tudo aceita. A luta por liberdade começa com a adequação do papel do Estado e, no Brasil, isso nunca foi feito. O papel de protagonista no cenário socioeconômico brasileiro sempre foi reservado ao Estado e àqueles que o integram ou em torno dele orbitam.

As leis que forjam a dinâmica do nosso sistema político, eleitoral e, por consequência, econômico, são leis anti-naturais, são deturpações propositadas impostas com o objetivo de desumanizar os indivíduos em prol de um corpo e uma mente coletiva, existente apenas como abstração na consciência daqueles que querem deter o poder para dirigir vidas alheias para o seu próprio bem-estar. Isso só é possível se esses, que colocam suas vidas, voluntaria e pacificamente, sob o domínio e o controle do Estado, mantém-se evasivos e alienados do que consiste ter a oportunidade única de existir.

Não fomos premiados por singamias ocasionais para servirmos o Estado. Se não estamos aqui para lutar e viver como seres humanos, como indivíduos racionais dotados de direitos inalienáveis, deveríamos então ter nascido como ratos.

Tags:
Fonte: NA

3 comentários

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Sr. Alyson, ouvindo suas palavras não tive dúvidas quanto às intenções, principalmente quando diz que houveram erros. E o erro foi de método, a estratégia usada foi equivocada, o dirigismo estatal nunca deu certo em lugar nenhum do mundo. Pode-se dizer que na China ou na Rússia foram construídas coisas maravilhosas, mas a que custo? Tanto um como outro país sempre esconderam suas mazelas do mundo. Lá, como aqui, em vez de abertura de mercado, foram usados subsídios, dinheiro de impostos para financiar projetos estatais ou governamentais, e lá como aqui o resultado foi o empobrecimento geral da população. Não nos enganemos, o aumento do consumo de todos os tipos de bens foi devido mais à tecnologia e desenvolvimento da ciência do que pela ação dos sucessivos governos. Países onde o governo interfere menos são mais ricos, isso é fato. Como seria a agropecuária brasileira se em vez de cobrar impostos para sustentar a Embrapa, o governo tivesse simplesmente liberado as forças produtivas para desenvolver tecnologia através da iniciativa privada? E isso não demandaria recursos, apenas a liberação econômica, a abertura de mercado juntamente com sua desregulamentação. O que vocês fizeram foi o contrário, durante muito tempo e até hoje ainda é considerado crime ganhar dinheiro no Brasil. Tudo isso graças ao assistencialismo e dirigismo promovido por toda uma geração. Não foi o governo que descobriu a transgenia, não foi o governo quem inventou máquinas maiores e mais eficientes, e nem foram brasileiros. É preciso admitir que somente a fabricação de plataformas de milho com 45 de espaçamento foi responsável por um aumento de 30% na produtividade do milho. Quando você diz que tal programa não foi levado adiante pelo que o sucedeu, isso não é novidade alguma e é um grande erro, pois governo não existe para interferir na economia e nas decisões pessoais da população como até hoje ainda é feito no Brasil. Existe uma grande diferença, e sei que você sabe disso, entre um programa de estado em que uma determinada instituição é responsável pelo desenvolvimento e manutenção de um determinado programa, com o mínimo de intervenção estatal, e projetos voluntaristas de governos que se sucedem. Por fim quero dizer que já existe sim um juventude que estuda, que trabalha, e que divulga as idéias antagônicas às esquerdistas, mas não dentro das universidades. São jovens que encontraram o caminho em outras fontes, através de pensadores independentes que tem realmente intenção de ensinar como aprender. Órfãos, vamos dizer assim, procuraram o próprio caminho em fontes que ensinam todas as doutrinas e teorias sem interesse em poder, quando muito algum reconhecimento, deixando os estudantes livres para que escolham o próprio caminho, sem que ninguém lhes indique caminhos utópicos que levam ao empobrecimento, pois qualquer um sabe que hoje, com um salário de 2000 reais uma pessoa mal e porcamente consegue sobreviver.

    1
    • MARTIN SIMEON WANSERMARACAJU - MS

      Só gostaria de fazer uma correção, quanto à mudança de espaçamento do milho de 0,90cm para 0,45 cm. -- O aumento de produtividade fica em torno de 5 a 10 %.

      8
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Martin Simeon, recorrigindo. Onde o Sr. escreveu ... espaçamento do milho de 0,90cm para 0,45 cm... O correto seria ... espaçamento do milho de 90 cm para 45 cm, ou ... de 0,90 m para 0,45 m ... ...

      1
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Sr. Martin, obrigado pela intervenção. Sei que existem trabalhos da Embrapa em que eles apresentam como resultado a manutenção da produtividade, ou seja, é a mesma no espaçamento de 45 e de 90. Assim como existem publicações da Pioneer em que afirmam ocorrer um aumento em torno de 20% na produtividade com espaçamento de 45, desde que se considere adubação, cultivar, densidade de plantio, etc... A afirmação que fiz acima não é baseada em nenhum estudo oficial da Embrapa, aliás eles tem restrições na informação, o que é um absurdo, e as empresas privadas são mais confiáveis em minha opinião em relação aos experimentos. Isso é baseado em depoimentos de produtores, e talvez esse seja o motivo de que o plantio com espaçamento reduzido tenha crescido nos últimos anos.

      10
  • Virgilio Andrade Moreira Guaira - PR

    O " Estado " brasileiro deve cortar suas gorduras e diminuir e simplificar os impostos cobrados. Daí nosso pais explode de fartura !!

    0
  • João Alves da Fonseca Paracatu - MG

    Boa noite, ... escutar dois mestres, e, parar para prestar atenção no que eles estão dizendo, acho que, além de rara oportunidade, é motivo de reflexão ... Encontrar o Dr. Paulinelli falando que estamos numa encruzilhada parece uma coisa óbvia, mas, reflitam senhores, com as coisas caminhando do jeito que estão, poderemos ter um atropelo e regredir há dez /quinze anos atrás, quando o campo estava num beco sem saída..., aí surgiram as decisões dos brasileiros que, junto à valorização das commodities e a adoção de tecnologias de ponta, nos tornaram competitivos, apesar de todos obstáculos que enfrentamos...
    Como observador e fã incondicional do Dr. Paolinelli, acho que ele mencionou uma coisa que deveríamos valorizar muito ... que o encontro do caminho virá com nossos jovens e facilidade deles em lidar com o novos tempos... Sinceramente, tenho lenhado muito neste mato... Por isso, vamos saudar... Viva nosso agronegócio, viva Alysson Paolinelli!!!... fora esquerdopatas e falsos ecologistas, ongs imprestáveis e políticos corruptos, incompetentes, irresponsáveis e mesquinhos.
    Saudações mineiras, uai!

    3
    • JOÃO ALVES DA FONSECAPARACATU - MG

      Iluminado por uma luz radiante, busco em meus mais primitivos sentidos, no cheiro da terra, na doçura do mel, no contato com a semente, nas beleza de um louro trigal e na alegria de saber que, por um sopro divino, fui agraciado com a nobreza de ser agricultor... Não é fácil, tampouco poderia ser, afinal despertar na alvorada, agarrar no pé do eito, colocar a semente no seio da mãe terra, esperar seu tempo, não olvidar de sua missão, colher os frutos e partilhá-los,... eis aí felicidade completa, semear em profusão e colher em profusão, como disse o mestre Jesus na linda parábola do semeador... Esta mensagem, escrita de meu próprio punho, quero dividir com todos meus irmãos que foram agraciados com uma maiores dádivas que um ser humano pode apetecer, ... parabéns a todos agricultores... ( eu estava inspirado e resolvi repetir a mensagem do ano anterior)

      0
    • EDMILSON JOSE ZABOTTPALOTINA - PR

      Está entrevista do Sr. Alison , ex ministro . É extremamente preocupante , mas mostra a necessidade de mudança drástica na Administração Pública . É importante que todos entendam que estes Políticos que aí estão tiveram oportunidade de fazer um Brasil forte . Ao contrário acabaram com o Brasil , palavras do ex ministro. Portanto este Centrão e os Vermelhos precisam ser Banidos urgente pois já chegamos na encruzilhada onde precisamos escolher urgente por uma mudança radical. O ex Ministro lembra que é preciso de um Candidato Honesto em primeiro lugar . Portanto nesta linha do que se apresenta para o Futuro Presidente é o Bolsonaro.

      1