Novas tecnologias são fundamentais mas, não podemos esquecer da renda do produtor

Publicado em 21/11/2018 07:57 1381 exibições
José Paulo Molin - Presidente da Associação Brasileira de Agricultura de Precisão
Prof. José Paulo Molin fala no AgroBit que precisamos vencer as barreiras da falta de internet no campo

Podcast

Novas tecnologias são fundamentais mas, não podemos esquecer da renda do produtor

Download

 

LOGO nalogo

O presidente da Associação Brasileira de Agricultura de Precisão, José Paulo Molin, destacou ao Notícias Agrícolas que o mundo está tendo grandes avanços tecnológicos no que diz respeito à agricultura, mas que ainda há algumas barreiras no Brasil em função da falta de internet no campo.

Os produtores pequenos já foram, assim, excluídos de um processo, já que o sistema que possuiam não os mantêm. As tecnologias oferecidas, embora promissoras, devem ser vistas com pé no chão, já que existem etapas a serem venidas.

Há produtores que fazem amostragens manuais e enviam para os laboratórios. Na outra ponta, já existem aqueles que transformam a nova tecnologia em sustentabilidade, fazendo o negócio crescer sem ir à falência.

Para Molin, ao invés de se adaptar, o processo tem que dar um passo atrás para chamar os excluídos, para não gerar um movimento inverso ao desejado. No curto a médio prazo, o mercado pode se sentir convidado a participar disso.

O presidente salienta que os produtores devem ter o discernimento de selecionar o que é viável e compatível com seu momento histórico.

Tags:
Por:
João Batista Olivi e Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Neste início de século está-se evidenciando o reconhecimento da valoração de um outro "capital". Enquanto no século XX a prioridade foi para os bens de capital e capital financeiro, agora entramos na era do empoderamento do "capital humano".

    A parcela de migrantes altamente qualificados em relação aos migrantes poucos qualificados cresceu significativamente. No Vale do Silício, mais de 70% dos engenheiros de software são estrangeiros. É crescente o reconhecimento de que o capital humano desempenha um papel fundamental na atual economia do conhecimento. As corporações multinacionais estão em plena "guerra pelo talento" e, as empresas que gerenciam bem seus talentos globais estão avançando.

    A China e Índia, considerados países de renda média, estão se tornando o destino dessa mão-de-obra altamente qualificada. Enquanto esses países crescem, a influência econômica global dos países desenvolvidos tende a diminuir.

    Está aberta a guerra do século, a "Guerra de Talentos ou do Capital Humano" !!!

    1