Analista recomenda atenção com enchentes no meio-oeste americano

Publicado em 19/03/2019 11:29 e atualizado em 19/03/2019 12:38
1127 exibições
Ginaldo de Souza, da Labhoro, recomenda ao produtor aguardar para vender
Ginaldo de Sousa - Diretor do Grupo Labhoro

Podcast

Entrevista com Ginaldo de Sousa - Diretor do Grupo Labhoro sobre as Enchentes nos Estados Unidos

Download

LOGO nalogo

Ginaldo de Sousa, diretor do Grupo Labhoro, conversou com o Notícias Agrícolas nesta terça-feira (19) para destacar as enchentes que atingem os Estados Unidos, com situação mais dramática no estado de Nebraska.

Sousa, que conhece bem a região atingida e possui contatos nos Estados Unidos, ressalta que os norte-americanos tem vivido momentos de dificuldades. O Rio Missouri é um dos principais problemas, já que atingiu Nebraska e também o oeste de Iowa. Contudo, não há perdas relatadas para os estoques.

A janela do milho está se abrindo e o plantio pode atrasar, o que irá repercutir na área de soja. Contudo, Sousa acredita que ainda é cedo para fazer um prognóstico dos problemas dos Estados Unidos.

Os norte-americanos, segundo o diretor, são preparados com uma estrutura operacional. O problema não é diretamente a chuva mas, sim, a quantidade de neve. Logo, ele prefere esperar mais alguns dias para ter uma conclusão a respeito do tema e seus impactos para o agronegócio.

O diretor também salienta que não vê mais problemas em relação à situação, a menos que ela continue por mais uma semana.

Chuvas nos próximos dias no Corn Belt

Por Jhonatas Simião

Mapas de previsão do tempo do centro de previsão da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês) apontam que as chuvas devem seguir nos próximos dias sobre o Meio Oeste dos Estados Unidos.

Radar mostra chuvas nesta terça-feira no Corn Belt - Fonte: NOAA
Radar mostra chuvas nesta terça-feira no Corn Belt - Fonte: NOAA

Imagem de radar do centro norte-americano mostra que a chuva segue nesta terça-feira (19) sobre pontos que já apresentam inundações. Na previsão para amanhã (20), as chuvas atingem os estados de Nebraska, Kansas, Iowa e Missouri.

Já no dia 21, as chuvas avançam para mais ao Leste do do país e ficam mais esparsas e menos volumosas. No entanto, a partir do dia 23, mais chuvas retornam para os estados que abrangem o cinturão Corn Belt, nos Estados Unidos.

Veja os mapas de previsão de chuva nos EUA nos próximos 4 dias:

 Mapas de previsão de chuva nos EUA nos próximos 4 dias - ​Fonte: NOAA Mapas de previsão de chuva nos EUA nos próximos 4 dias - ​Fonte: NOAA Mapas de previsão de chuva nos EUA nos próximos 4 dias - ​Fonte: NOAA
Fonte: NOAA

Por: João Batista Olivi e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • SERGIO BOFF São João - PR

    Volto a bater na mesma tecla, tudo isso acontecendo, claro não estou aqui para rir dá desgraça dos outros, mas sim para dizer que tudo isso mesmo assim os preços se mantém na mesma, precisamos de uma catástrofe mundial claro não é isso que eu quero para termos valorização do nosso produto, pasmem senhores do NA.

    0
    • EDMUNDO TAQUESVENTANIA - PR

      Caro Sergio, acompanho quase que diariamente o preço da soja em Chicago, bem como os prêmios. Posso te dizer que desde o começo de dezembro (trégua da reunião do G-20) o preço de soja no Brasil com vencimento em maio está cartelizado entre U$$ 9,50 - U$$ 9,80 o bushel, com uma média de U$$ 9,60 (todas acrescidas de premio)... Tudo e todos os fundamentos que aconteceram nesses mais de 120 dias não fizeram mudar esse patamar nenhuma vez!!! Quer saber nem uma catástrofe mundial vai mudar isso, porque o mercado só quer saber da demanda da Soja dos EUA, sem acordo, sem demanda, sem mudança de preço lá em Chicago. Ai um bando de espertalhões, dá uma de João-sem-braço e segue comprando toda a safra brasileira nesse preço, também sem levar em conta nenhum fundamento, nem mesmo levando em conta que a referida soja nos EUA, para ser comprada pelos Chineses tem um acréscimo de preço de 25%, o que eleva seu preço a U$$ 11,5 o bushel. Os prêmios estão tão defasados, mas tão defasados, que se dobrassem de valor ainda continuariam defasados. Volto a repetir, ninguém, nenhum analista, empresa, artigo, me tira essa sensação de que estou sendo roubado, porque alguém neste mundo esta ganhando muito dinheiro nas costas do produtor brasileiro.

      0
    • ARLINDO PONTREMOLEZ VARALTAIBIRAREMA - SP

      Estimado Edmundo. Bem colocado. So para comentar o que comentei em 2017 e alguns me chamaram de louco . Faz 7 ou 8 anos os estoques mundiais de passagem da soja estavam na casa dos 9 milhoes de toneladas e o bushel chegou a bater os 1700 pontos ou 17.40 us/bushel. Hoje esses estoques passam dos 110 milhoes de toneladas e o bushel segue capengando na casa dos 900 pontos. Resumindo :- O agricultor segue comprando tecnologias casa vez mais caras, adubando cada vez mais , produzindo cada vez mais e ....GANHANDO CADA VEZ MENOS!!! PORQUE :- ???? Porque existe uma lei na economia que se chama oferta e demanda !! Cada vez que os tres maiores productores de soja do mundo sobem a sua media de produtividade sobra soja no estoque mundial, consecuentemente os PRECOS CAEM!!! Que ganha com isso?? PRimeiro a China que esta super feliz com a productividade dos brasileiros e mais feliz ainda com a briga com os EUA. SEgundo as empresas de insumos, maquinaria e e tecnologia !! Vendendo como loucos FERRO E AGUA SUJA a preco de ouro!! E O AGRICULTOR!!!???? Ah ele fica feliz quando passa a colheitadeira e diz colhi 4 toneladas por ha de media ¡!uauuuu!! Depois quando vai pro escritorio fazer os cheques das dividas se da conta de que tem mais contas para pagar que dinheiro para entrar!! Ele o Agricultor , nAo se da conta que ele ganhava mais produzindo 2.8 a 3 toneladas por ha com um custo bem menor e vendendo a 14 us$ por bushel. Enquanto a agricultura for cada um por si e Deus para todos nao sairemos desse buraco. Precisamos de medidas que diminuam a producao MUNDIAL DE SOJA !!!! . Acordos comerciais entre; USA;BRASIL;ARGENTINA E PARAGUAI, a nivel de Governos propondo uma diminuicao da area de plantio da orden de 20% , ou fianciando apenas 60% da área de soja , ja seria o suficiente para mudar os nervos China. Os apostadores da bolsa de Chicago so de saber de um acordo de diminuicao de area de plantio dessa dimensao , faria com que Chicago va a pelo menos a 13 us$ por bushel ou seja uns 35% acima do preco comercializado nesses ultimos tempos . SE Chicago sobe um 35% sobre o lucro sobre os 80% da área plantada nos va a gerar un plus , o sea um lucro de aproximadamente 28 % por saca ou tonelada acima do valor de venda que chega a ser mais de 50% de lucro liquido sobre os precos com área de 100 %, sem contar a diminuicao do custo debido a una area menor a ser plantada . Se isso fosse viabilizado por um , dois ou tres anos, um acordo dessa natureza a parte de aumentar o preco de venda da soja aumentando nosso lucro de imediato , derrubariamos os estoques mundias o que manteria os precos da soja num nivel de rentabilidad por longos periodos. Como vai indo a carruagem , medias aumentando a cada ano e os Chineses controlando a mesa de jogo via política ou consumo, a sojinha vai ficar na casa dos 9 ? 9.5 us$ por bushel se e que nao cai mais por longos longos longos anos, podem escrever. So para entender melhor.- Os paises produtores de petroleo o que fazem quando o petroleo tem baixa de preco na bolsa . Se reunem e diminuem a producao. Assim de simples!!! Entao eles produzem menos , o preco sobe, eles vendem melhor , igual lucro maior com custo menor!! A grande dificuldade .......??? fazer os produtores entederem isso!! Mais nao tem outra mais solucao. O agricultor de hoje ficva torcendo para catástrofes nos USA ARGENTIONA E PARAGUAI. Nao se pode emprender nessas bases!! De ficarmos com o braco cruzado vai acontecer com a soja o que aconteceu como trigo!!! Vamos seguir vendendo soja de alta tecnología a Preco de BANANA. Grande abraco!!

      0
    • SERGIO BOFFSÃO JOÃO - PR

      Concordo plenamente, mas até quando o nosso País vai aceitar empresas ou espertalhões como você deixou muito bem claro... é necessário acabar com essa situação, parece até que no negócios de grãos tem propina..., será que nosso produto tem que passar por esses atravessadores até quando?, temos que ser mais valorizados e unidos para que possamos ter nossos produtos valorizados.

      0