Cinco temas que precisam ser monitorados em junho pois podem dar novos rumos aos preços das commodities agrícolas

Publicado em 12/06/2019 17:08 e atualizado em 13/06/2019 10:53
2611 exibições
Destaque para o real tamanho da oferta da safra de grãos nos EUA que tem o plantio atrasado pelo excesso de chuva e a demanda chinesa por soja após avanço da PSA
Marcos Fava Neves - Professor de Agronegócios da USP e FVG

Podcast

Entrevista com Marcos Fava Neves - Professor de Agronegócios da USP e FVG

Download

 

LOGO nalogo

O professor de agronegócios Marcos Fava Neves, da USP e da FGV, conversou com o Notícias Agrícolas a respeito dos cinco itens que o produtor rural deve acompanhar ao longo do mês de junho. Neves escreve, mensalmente, uma coluna para o site destacando alguns fatores que podem fazer a diferença na comercialização e no plantio.

Dentre esses fatores, o mais importante é a oferta de grãos nos Estados Unidos. Neste mês, deve-se observar o plantio no país que, com o excesso de chuva, deve sofrer algumas perdas por conta do atraso. A janela para a colher também deve ser menor. Haverá, portanto, redução no milho previsto e também, possivelmente, para a soja. Neste momento, o professor recomenda que, aqueles produtores que puderem segurar um pouco de grãos, aguardem mais resultados.

Por sua vez, a peste suína africana na China pode trazer oportunidades para o Brasil exportar não apenas carne suína, mas também outras proteínas. A briga entre Donald Trump e China ainda pode trazer mais benefícios para o Brasil, embora reduza a perspectiva da economia mundial.

Neves também acredita que, com a aprovação das reformas propostas pelo Governo brasileiro, a tendência é que o real se valorize no próximo semestre. O produtor, assim, poderia ganhar no custo de produção, mesmo com o problema cambial na comercialização. Ele recomenda que haja uma trava de preços no câmbio atual.

Ele ainda se posiciona contra a revogação da Lei Kandir e também contra o tabelamento de fretes, pontos que ele considera prejudiciais para a cadeia agrícola.

Tags:
Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário