Para especialista chinês, benefícios do Brasil com a guerra comercial são de longo prazo

Publicado em 11/09/2019 09:09 e atualizado em 11/09/2019 11:29
1618 exibições
Para presidente da Câmara de Comércio Brasil-China, acordo ainda está distante entre chineses e americanos, o que traz uma nova boa perspectiva para a demanda pelos produtos brasileiros, especialmente a soja que começa a ser plantada agora.
Charles Tang - Chairman da Câmara de Comércio Brasil-China

Podcast

Entrevista com Charles Tang - Chairman da Câmara de Comércio Brasil-China

Download

LOGO nalogo

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China vai proporcionar diversos benefícios ao Brasil ao longo prazo e a tendência é que a relação de Brasil e China fique mais próxima cada vez mais.  Diante desse cenário, as perspectivas são muito boas com a demanda de produtos brasileiros, especialmente a soja.

De acordo Chairman da Câmara de Comércio Brasil-China, Charles Tang, eventos como congresso são muito importantes para redefinir estratégias e passar o conhecimento para o público em geral. “Eu sou muito otimista com o setor agrícola e contamos com uma ministra muito eficiente que tem ajudado esse comercial a ficar mais estreito”, afirma.

O especialista ainda destaca que o consumo vai continuar crescendo em função dessa briga comercial. “A economia chinesa e brasileira são complementares, a China é o mercado e o Brasil é o produtor. Já o Brasil e os Estados Unidos são concorrentes, se o país asiático compra mais dos americanos vai consumir menos do Brasil e vice e versa”, ressalta.

A guerra comercial comprometeu os fazendeiros americanos que lutaram durante décadas para conquistar o maior mercado do mundo. “Em um minuto essa confiança acabou. A confiança é como um vaso, depois que quebra é difícil colar. Eu acredito que o benefício para o Brasil é de longo prazo, pois nenhum governo chinês vai permitir que o povo chinês passe fome quando o Donald Trump estiver de mau humor”, comenta.

No caso da demanda por alimentos na China, Tang aponta que a tendência é de crescimento no consumo, em que mais de 300 milhões de pessoas vão sair do campo para os centros urbanos até 2030. “Em novembro do ano passado, a JBS assinou um contrato de mais de 5 bilhões de dólares para exportar carne bovina”, diz.

Outro fator que o Chairman destaca é que os brasileiros precisam saber comercializar melhor os produtos. “Quando a China saiu da linha de pobreza passou a tomar café suíço e outros países que não cultivam café. Nós precisamos aprender como vender mais e ter mais produtos de valor agregado”, relata.

Tags:
Por: Carla Mendes e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário