Preços do Agro em alta e podem subir mais... mas lembrem-se, o limite é o bolso do consumidor...

Publicado em 20/11/2020 15:29 e atualizado em 20/11/2020 17:02 1497 exibições
Tempo & Dinheiro - com João Batista Olivi

Com altas históricas do farelo e do óleo de soja, complexo está 'blindado' e continua escalada de preços

LOGO nalogo

"Neste momento, a soja não tem uma valorização somente pelo cenário de oferta e demanda do grão, mas também pelos derivados, que estão contribuindo bastante". A afirmação é do analista de mercado Eduardo Vanin, da Agrinvest Commodities, que afirma também que diante de uma demanda tão intensa e de uma restrição de oferta que pode se agravar, o complexo soja está blindado neste momento, mesmo com incertezas marcando a retomada das ecomonias mundo a fora, e que os preços dos três produtos deverão continuar nesta escalada. 

Em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta sexta-feira (20), dia da sexta sessão consecutiva de ganhos para a soja na Bolsa de Chicago, Vanin detalhou os mercados da óleo e farelo de soja e a importância que têm carregado para o avanço das cotações do grão. 

ÓLEO DE SOJA

A demanda mundial por óleos vegetais é muito forte neste momento, tanto para o consumo humano, quanto, principalmente, para a produção de biodiesel. O destaque se dá para o óleo de palma, que registra suas máximas em oito anos e puxa os demais na esteira, incluindo o óleo de soja.

"Nesta temporada 2020/21, segundo os números, o uso de óleos comestíveis para uso industrial vai bater recorde e chegar a 52 milhões de toneladas, maior volume já visto", diz Vanin. "A particularidade é que este crescimento está se dando não em importadores tradicionais, mas em exportadores de óleos vegetais a exemplo dos EUA, a própria Argentina, o Brasil e a Indonésia, maior exportadora mundial de óleo de palma". 

O analista lembra ainda que o aumento do consumo humano de óleos está bastante ligado às questões da renda das populações. Na Índia e na China, onde as rendas estão crescendo, a demanda também avança e favorece as cotações. "De modo geral, o óleo de soja tem contribuído mais para a alta do grão", explica o analista. 

No Brasil, os preços estão historicamente altos, o que inclusive fez com que o governo autorizasse matéria-prima importada para a produção de biodiesel e também as importações de óleos de fora do Mercosul para tentar amenizar o atual momento de preços muito altos. 

FARELO DE SOJA

No mercado do farelo de soja, o fator que lidera o movimento de altas é o fato da Argentina estar, praticamente, "fora do jogo". O esmagamento no país - que é o maior exportador global de farelo e óleo - está 12% menor do que em relação a 2019 e as exportações acumuladas de farelo, até setembro, eram de 17 milhões de toneladas, contra quase 22 milhões no mesmo período do ano passado. 

"Há uma queda de 4 milhões de toneladas no fornecimento de farelo por parte da Argentina e quem está abocanhando esse mercado são Brasil e EUA, que são os outros dois grandes exportadores", diz Vanin. 

Mais do que isso, há ainda uma preocupação com a nova safra argentina, que também sofre com as adversidades climáticas e o tempo muito seco, vinda de uma temporada já comprometida pela falta de chuvas. 

"E o produtor também está muito desmotivado por questões ligadas ao governo, da moeda, da inflação e das tarifas. E para o ano que vem, a Argentina não deve mudar esse cenário. O produtor não vende, porque se ele vende, ele troca dólares por peso e essa não é uma boa troca neste momento", complementa Eduardo Vanin. 

Atracação de navios em portos do Paraná avança 6% em 2020; fluxo segue intenso

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O número de atracações de navios em 2020 em instalações operadas pela Portos do Paraná atingiu no último domingo a marca de 2.179, cifra que representa alta de quase 6% em relação a igual período do ano passado, informou a companhia de logísticas nesta terça-feira.

O volume movimentado no acumulado deste ano soma 51,5 milhões de toneladas, segundo a estatal ligada ao governo paranaense, responsável pelos portos de Antonina e Paranaguá --este, o segundo maior do país em embarques de grãos como soja, atrás apenas do porto de Santos.

Em comunicado, a Portos do Paraná afirmou também que a quantidade de embarcações atracadas e em operação neste momento fica próxima da taxa de 100% de ocupação do cais e píeres nos dois portos, indicando um fluxo intenso --na última quinta-feira, havia 21 navios atracados nas unidades.

"Diante da demanda, que está muito grande, fazemos um bom trabalho de programação, fazendo com que a gente tire o máximo de aproveitamento dos nossos espaços", disse em nota o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

O diretor-presidente da empresa, Luiz Fernando Garcia, acrescentou que essa demanda crescente reflete uma "missão de entregar alimentos e produtos essenciais para o mundo".

As exportações de commodities agrícolas do Brasil ganharam força em 2020, diante da firme demanda externa --especialmente da China-- e da desvalorização do dólar frente ao real, o que torna os produtos locais mais competitivos.

Dados divulgados pela Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) na semana passada apontaram que, no acumulado do ano até outubro, Paranaguá foi responsável por embarques de 14,07 milhões de toneladas de soja, ante 11,3 milhões no ano completo de 2019.

Os embarques de farelo de soja por Paranaguá se aproximavam, ao final de outubro, dos níveis reportados no total de 2019, com 4,6 milhões de toneladas já embarcadas.

Por outro lado, as exportações de milho do porto paranaense no ano somavam 1,6 milhão de toneladas, ante 5,6 milhões de toneladas em 2019 inteiro, segundo a Anec.

Brasil pode fechar ano perdendo menos empregos que em 2015 e 2016, diz Paulo Guedes

Ministro defendeu desoneração da folha (por Agencia Brasil)

A geração de empregos no segundo semestre pode fazer o país fechar 2020 perdendo menos postos de trabalho que na recessão de 2015 e 2016, disse hoje (19) o ministro da Economia, Paulo Guedes. O ministro voltou a defender a desoneração da folha de pagamentos e criticou o Congresso Nacional por interditar o debate sobre o tema.

“Na maior crise global, nós podemos terminar o ano com um terço ou um quarto dos empregos que foram perdidos na recessão autoimposta [de 2015 e 2016”, declarou Guedes, durante o 41º Congresso Brasileiro de Previdência Privada promovido pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp).

De acordo com Guedes, o Brasil pode terminar o ano com o fechamento de cerca de 300 mil postos de trabalho. De janeiro a setembro, segundo os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o país tinha eliminado 558,6 mil vagas, contra saldo negativo de 1.144 milhão registrado de janeiro a maio.ebc.png?id=1394013&o=nodeebc.gif?id=1394013&o=node

Desoneração

No evento, o ministro voltou a defender a desoneração da folha para todos os setores da economia, mas sem especificar de onde sairia a receita para cobrir o benefício. “Estamos convencidos do problema de desoneração da folha. Precisamos remover esse problema que é a cobrança de impostos sobre a folha. Esse imposto é um desastre. Colocou 40 milhões de brasileiros fora do mercado formal e prejudica a arrecadação para a Previdência”, afirmou Guedes.

Por diversas vezes, o ministro defendeu a criação de um imposto sobre transações digitais para cobrir a perda de arrecadação com a desoneração da folha.

Apesar de o governo ainda não ter enviado a proposta ao Congresso, Guedes criticou os deputados por não levarem adiante o debate. “A Câmara interditou esse debate. Ora, um governo eleito quer fazer uma reforma e não consegue, vamos cuidar das outras, os gastos, as despesas, começamos pela Previdência, depois os juros da dívida”, declarou.

Segunda onda de covid

Sobre o ressurgimento de casos de covid-19 no país, Guedes disse que o fenômeno está restrito a algumas regiões e não é geral. “Se a doença vier, estamos numa outra dimensão, sabemos como agir, mas não é nosso plano”, ponderou o ministro.

Ele reiterou que a equipe econômica está concentrada em prosseguir com as reformas estruturais, como a tributária e a administrativa, e em preservar o teto de gastos, sem recorrer a programas populistas.

Internações por covid-19 em hospitais privados aumentam em São Paulo

Levantamento é do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios (por Agencia Brasil)

Um levantamento feito pelo Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (SindHosp) mostrou que 44,74% dos hospitais privados do estado tiveram aumento das internações de pacientes com o novo coronavírus nos últimos 15 dias. Os dados também mostram que 46,06% registraram aumento no número de diagnósticos da covid-19 neste mesmo período.ebc.png?id=1394074&o=nodeebc.gif?id=1394074&o=node

“Este é um indicativo de que o número de casos vem aumentando e de que aquela tendência da curva de baixa está dando um pico. Não significa ainda que inverteu, mas aparentemente, por enquanto, é só um pico e precisamos ter muita atenção em relação a isso. Pelo desenho epidemiológico, não estamos vivenciando uma segunda onda de covid. Estamos, talvez, em um momento de repique de casos ainda da primeira onda”, disse o presidente do SindHosp, Francisco Balestrin.

Para o médico, o aumento de casos pode ser atribuído ao fato de que possa ter havido um relaxamento da população com as medidas de segurança, tanto as individuais (uso de máscara, distanciamento social, lavagem das mãos) como as coletivas (evitar aglomerações, restaurantes manterem distanciamento entre as mesas, shoppings centers limitando número de pessoas).

“Eu noto um relaxamento disso e essa falta de civilidade nossa está cobrando o preço agora. Existe também um percentual das pessoas que são negativistas e sempre refratárias a tudo, mas a grande parte das pessoas ouve as autoridades sanitárias, políticas, líderes empresariais, setoriais. Se essas lideranças não se conscientizarem e passarem uma visão correta, muitas pessoas seguirão o inadequado. Uns porque vão seguir mesmo e outros porque vão entender que a situação já está sob controle", observou.

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário