Chuvas garantindo a safra, este é o melhor remédio contra a inflação; o resto é intriga da oposição!

Publicado em 08/12/2020 15:35 946 exibições
Tempo & Dinheiro - Com João Batista Olivi
Assista à íntegra do Temo&Dinheiro desta terça-feira, 8 de dezembro/20, com apresentação de João Batista Olivi

Lavouras de soja 2020/21 do Paraná têm melhora na qualidade; plantio é concluído

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A qualidade das lavouras de soja 2020/21 no Paraná teve melhora nos últimos dias, com 75% das áreas avaliadas em condições boas, um avanço de 3 pontos percentuais em relação à semana anterior, informou o Departamento de Economia Rural (Deral) nesta terça-feira.

No restante das lavouras, 21% estão em condições médias e 4% ruins --onde há perda sem possibilidade de recuperação. O plantio cresceu 1 ponto percentual e foi concluído.

A melhora nas condições ocorreu após chuvas nas últimas duas semanas. No sul do Estado, as precipitações superaram as médias histórias para o período, segundo dados da Refinitiv.(https://amers2.apps.cp.thomsonreuters.com/cms/?pageid=awd-sam-past-wx-maps-15d)

O Estado, assim como demais regiões produtoras, teve os trabalhos de plantio atrasados e impactados pela falta de chuvas no início da temporada.

Segundo o Deral, apesar da avanço nas áreas de melhor qualidade, trata-se do menor patamar de lavouras nesta condição ao menos desde o mesmo período de 2015.

Na safra passada, por exemplo, a semeadura da oleaginosa também havia sido encerrada, mas com 83% das áreas avaliadas como boas.

Pesquisa publicada pela Reuters na última semana indica que o Brasil, maior produtor e exportador global de soja, perdeu potencial produtivo desta safra pela seca, embora ainda possa ter uma colheita recorde.

No milho primeira safra, dados do Deral mostram que o plantio do Paraná também está concluído, com 77% das lavouras boas e 18% médias, um avanço de 2 pontos percentuais para as áreas de melhor qualidade.

Guedes menciona regime extraordinário temporário para inserção de "invisíveis" no mercado de tabalho

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, mencionou nesta terça-feira a necessidade de estudos para a eventual implementação de um regime extraordinário temporário para inserção no mercado de trabalho de 40 milhões de invisíveis identificados pelo governo durante a pandemia do coronavírus.

"Nós vamos continuar ignorando essa legião de brasileiros? Ou nós temos que, de alguma forma numa legislação, reconhecê-los? É a nossa proposta do contrato verde e amarelo", afirmou Guedes ao participar do seminário Supremo em Ação.

"Eles não conseguiram sobreviver com o quadro de legislação trabalhista existente. Eles foram excluídos. Então não vamos tirar direitos de ninguém na legislação trabalhista que existe aí, mas pelo menos como é que a gente cuida deles? Será que precisamos de um regime extraordinário para eles por um, dois anos? Nós temos que raciocinar sobre isso", completou.

Em sua fala, Guedes destacou que a retomada econômica do país no pós-crise passa por "dimensão jurídica", já que o governo mira a modernização de marcos regulatórios e a promoção de concessões e privatizações.

"Às vezes uma questão que bate nessa dimensão jurídica sobe para o Supremo e, dependendo da decisão do Supremo, são dez anos de atraso ou dez anos de evolução acelerada", disse.

O ministro também criticou o que avaliou como indústria predatória de precatórios, questionando a razoabilidade do crescimento dos valores devidos anualmente pela União com processos em que sofreu derrota definitiva na Justiça, o que abarca indenizações, benefícios e devolução de tributos contestados.

"Será que estamos tratando corretamente dessa dimensão? Isso vai acabar conosco muito rápido, o Brasil vai ser destruído por indústria espoliativa, predatória", disse.

O ministro levantou possibilidades para o aumento vertiginoso dessa conta, como a criação desses passivos por legislação obsoleta, o que teria que ser enfrentado pelo Legislativo.

"Se, ao contrário, a lei é correta e a coisa está crescendo rápido assim, alguém está fazendo alguma besteira em algum lugar", disse.

Guedes elogiou ainda a atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) durante a crise, pontuando que a Corte apoiou a flexibilização das relações contratuais, numa referência ao aval para o funcionamento do programa de manutenção de empregos bancado pela União --que permite redução temporária de salário e jornada ou a suspensão do contrato de trabalho, com o pagamento de compensação parcial pelo governo aos trabalhadores.

Nesse sentido, o ministro voltou a estimar que o Brasil pode encerrar o ano com perda zero de empregos no mercado formal. Ele reafirmou que a retomada da economia está ocorrendo com força, apoiada por dados de arrecadação, consumo de energia elétrica e da indústria.

Pazuello prevê início de vacinação contra Covid-19 no final de fevereiro

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - O início da vacinação contra Covid-19 no Brasil vai ocorrer após o registro efetivo do imunizante da farmacêutica AstraZeneca no final de fevereiro "se tudo estiver redondo", disse o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em comunicado distribuído pela pasta depois do encontro dele com governadores em que discutiram um Plano Nacional de Imunizações (PNI).

"A Anvisa vai precisar de um tempo cumprindo essa missão. O registro gira em torno de 60 dias. Se tudo estiver redondo, teremos o registro efetivo da AstraZeneca no final de fevereiro, dando início à vacinação”, disse o ministro, segundo a nota.

Governadores pressionam o governo federal para que acelere o planejamento para vacinação contra o coronavírus. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou na véspera um plano estadual de vacinação que, disse, começará em 25 de janeiro, com a vacina CoronaVac, da chinesa Sinovac, que ainda não tem pedido de registro feito junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

No encontro com os governadores, Pazuello disse que todas as vacinas que tiverem eficácia e registro da Anvisa serão adquiridas. Ele reforçou o compromisso na aquisição das vacinas e destacou a necessidade de apenas um plano nacional.

"O PNI é nacional. Não pode ser paralelo. A gente tem que falar a mesma linguagem. Nós só temos um inimigo: o vírus. Temos que nos unir", disse. 

Até o momento, não há nenhuma vacina contra a Covid-19 aprovada pela Anvisa.

Alertas meteorológicos para hoje, informações da Climatempo

Mais de 100 mm em 24h

Choveu de 80 a mais de 100 mm em 24 horas em várias áreas na região de Campinas, no Vale do Paraíba e até na região da Grande São Paulo. Volumes de chuva da ordem de 100 mm representam quase a metade da média normal de chuva para dezembro em muitas áreas do estado de São Paulo.

O tempo fica bastante instável em quase todo o Brasil no decorrer desta terça-feira. A circulação de ventos sobre o Brasil mantém a formação de nuvens carregadas em praticamente todo o país.

Ainda chove no norte do estado de São Paulo, na região do vale do Paraíba e no litoral norte paulista. A capital paulista pode ter chuva fraca/moderada apenas entre a tarde e a noite.

Períodos com sol e pancadas de chuva com raios, que podem ser moderados a forte, ocorrem em quase todas as áreas da Região Norte, do Centro-Oeste, do Sudeste do Brasil. As pancadas mais fortes tendem acontecer à tarde à noite.

No extremo norte do Pará, em Goiás, em Belo Horizonte, em todo centro-oeste de Minas Gerais, no sul de Minas, na Zona da Mata mineira, no estado do Rio de Janeiro, esta terça-feira segue com grande quantidade de nuvens e chuva frequente, que não tem hora para começar e nem parar. Mesmo sem ocorrência de raios, a chuva pode ser volumosa em vários momentos.

Atenção para o tempo chuvoso na Grande Belo Horizonte ,na Zona da Mata mineira, no Grande Rio, no centro Sul Fluminense e também no Litoral Norte de São Paulo.  Atenção especial com a região de Resende, no sul do Rio de Janeiro, onde já choveu mais de 100 milímetros nas últimas 24 horas .

Dia de sol e calor no oeste e sul de Mato Grosso do Sul, em todo o centro-oeste  e sul do Paraná, no centro- oeste de Santa Catarina, em todo o centro-oeste e Norte do Rio Grande do Sul.

Na Região Nordeste, pancadas de chuva acontecem por todo Maranhão, em Teresina, no centro-norte, no sul e oeste do Piauí. Também tem previsão de pancadas de chuva para todo o centro-oeste e sul da Bahia. Chove rapidamente no litoral entre o Rio Grande do Norte e a Paraíba e chove rapidamente em Salvador também. Dia de sol e calor nas demais áreas da Região Nordeste 

Na Região Norte do Brasil,  alerta para temporais no noroeste do Pará, em Roraima, no centro-norte e oeste do Amazonas e no extremo oeste do Acre. Alerta para temporais nas capitais Boa Vista e Manaus .

Na Região Sudeste, alerta para temporais em Minas Gerais, no Rio de janeiro e também na região de Franca, na Serra da Mantiqueira e no litoral norte do estado de São Paulo. As demais áreas do Sudeste ficam em atenção para chuva moderada a forte 

Região Centro-Oeste tem alerta para temporais em Goiás, distrito federal e também toda área centro-sul e leste de Mato Grosso.

Nas áreas ao norte e oeste de Mato Grosso e também no norte de Mato Grosso do Sul atenção para chuva moderada a forte com raios e rajadas de vento.Na região nordeste do Brasil atenção para chuva moderada a forte sobre o Maranhão. Vc alerta para temporais no sudoeste da Bahia.

Previsão de tempo entre os dias 7 a 23 de dezembro de 2020 (informações do INMET)

De acordo com o modelo numérico do INMET, a semana será marcada pela atuação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS). A ZCAS é caracterizada por uma faixa de nuvens alinhada desde a Região Norte até a parte da Região Sudeste, passando pela parte central do Brasil, e que causa chuva persistentes por alguns dias consecutivos.

Em áreas dos estados do Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro, a ZCAS favorecerá acumulados de chuva que poderão ultrapassar os 200 mm. Há previsão de temporais isolados nessas áreas que podem estar acompanhados de granizo e rajadas de vento. Além disso, a ZCAS também favorecerá a ocorrência de chuvas significativas em Rondônia, Amazonas e no sul do Pará e de Tocantins. Nessas áreas os acumulados de chuva poderão variar entre 20 e 70 mm.

Já na Região Sul, a semana deverá ter pouca chuva, com maiores acumulados variando entre 20 e 30 mm.

Na Região Nordeste, as chuvas deverão se concentrar no oeste da Bahia, sul do Piauí e no Maranhão com acumulados entre 5 e 50 mm.

fig-1-infor.png

Figura 1: Previsão de chuva para 1ª semana. Fonte: INMET. 

A Figura 2 apresenta a previsão de chuva entre os dias 15 e 23 de dezembro de 2020.

De acordo com o modelo de previsão numérica, a semana deverá ser de muita chuva entre São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, com acumulados podendo ficar próximos aos 100 mm.

Na Região Sul, os maiores acumulados de chuva deverão ocorrer entre o norte do Rio Grande do Sul e o Paraná, com valores podendo variar entre 5 e 50 mm.

Na Região Centro-Oeste, os acumulados de chuva deverão ser mais significativos em áreas do Mato Grosso do Sul, com valores que podem chegar aos 70 mm.

Na região do MATOPIBA as chuvas deverão ter acumulados podendo variar entre 10 e 70 mm.

fig-2-info.png

 

Figura 2: Previsão de chuva para 2ª semana. Fonte: GFS.

- Temperatura

As temperaturas deverão ficar estáveis em grande parte do Brasil Central entre os dias 07 e 14 de dezembro. A partir do dia 12, a passagem de uma frente fria pela Região Sul favorecerá ao declínio das temperaturas, principalmente nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

Veja as Condições Observadas no Brasil nos últimos 15 dias e a Previsão para os próximos 15 dias no Informativo Meteorológico nº 48/2020 completo: AQUI.

 

 

Tags:
Fonte:
Climatempo/Inmet

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário