Diquat, substituto do Paraquat, teve preços quase triplicados e está em falta no Brasil

Publicado em 19/01/2021 10:40 e atualizado em 19/01/2021 11:59 3003 exibições
Guilherme Lamb - Produtor Rural
Além de encarecer os custos de produção, falta do produto pode deixar muitos produtores sem alternativa para dessecação da soja, podendo inclusive atrasar o início do plantio da safrinha de milho. Problema é generalizado.

Podcast

Entrevista com Guilherme Lamb - Produtor Rural sobre os altos preços do diquat

Download

LOGO nalogo

Os preços do diquat triplicaram nos últimos meses. Substituto do paraquat, que tem sua utilização proibida nas lavouras braisleiras, o produto teve sua demanda muito intensificada, o que fez com que os preços hoje oscilem entre R$ 36,00 e R$ 42,00 por litro na região de Maracai, interior de São Paulo, contra uma média normal de R$ 18,00, quando ainda havia concorrência. 

Além de caro, o produto está escasso e muitos sojicultores já estão, inclusive, ficando sem opções para a dessecação de seus campos. "Apesar dos preços altos, algumas empresas informam que o prazo de entrega é de 20 a 40 dias, o que é inviável pois já não chega a tempo para esta safra", explica Guilherme Lamb, produtor rural da cidade. 

Mais do que isso, os atuais valores já têm encarecido os custos de produção, que chegam a triplicar em algumas condições e o que chega, invariavelmente, ao consumidor final, intensificando ainda mais a inflação dos alimentos. 

A região de Maracai conta ainda com um microclima específico que faz com que a safra seja quase sempre bastante desuniforme, com muitos pés de soja ainda verdes e com índices de umidade mais altos do que o ideal para a colheita. "E se eu não usar o diquat, além das perdas com os descontos por grão verde e umidade, tenho muita dificuldade da operação de colheita. Então, isso preocupa muito porque envolve problemas indiretos, graves inclusive, pode dificultar muito", explica Lamb. 

Uma das alternativas para o diquat seria a utilização da amônia. No entanto, seu efeito não é tão eficaz e é também mais lento, além de muito mais caro.

Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • José Roberto de Menezes Londrina - PR

    Agricultor brasileiro padece, e a multinacional chinesa agradece...

    0