Mercado desaba com mudanças no clima do corn belt e recuo do petróleo... quem fez hedge está tranquilo

Publicado em 13/05/2021 16:06 e atualizado em 13/05/2021 18:15 1646 exibições
Tempo & Dinheiro - Com João Batista Olivi
Edição do Tempo&Dinheiro desta 5a. feira, 13/maio/21, com João Batista Olivi

“É um crime o que vem acontecendo nessa CPI”, diz Bolsonaro... “Sempre tem algum vagabundo” (no Poder360)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 5ª feira (13.mai.2021) que o que está acontecendo na CPI (Comissão de Inquérito Parlamentar) da Covid Senado é “um crime“. Deu a declaração em evento de entrega de casas do Residencial Oiticica I, em Maceió (AL).

“É difícil, sabíamos, não vai ser fácil, sabemos. Porque sempre tem algum picareta, vagabundo querendo atrapalhar o trabalho daqueles que produzem. Se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquirindo pessoas de bem em nosso País. É um crime o que vem acontecendo nessa CPI”, disse.

E completou, depois de parte da plateia gritar “Renan vagabundo”:

“O recado que eu tenho para esse indivíduo, se quer fazer um show tentando me derrubar, não fará. Somente Deus me tira daquela cadeira”

Assista ao momento:

A comissão investiga as ações do governo federal e o uso de recursos da União por Estados e municípios no enfrentamento à pandemia. Entre as solicitações feitas no 1º dia estão pedidos de informações sobre o fornecimento de respiradores, EPIs (equipamentos de proteção individual), medicamentos do “kit intubação” e de oxigênio.

A viagem de Bolsonaro a Alagoas acontece 1 dia depois de o presidente compartilhar em suas páginas nas redes sociais trecho da discussão ocorrida na CPI da Covid no Senado entre Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e Renan Calheiros (MDB-AL). O chefe do Executivo publicou vídeo de 28 segundos em que seu filho chama o par de “vagabundo“.

Alguns convidados do evento gritaram “Fora Renan”, “Renan vagabundo”, “voto impresso” e “Globo Lixo” durante os discursos.

Marinho comentou sobre os gritos da plateia contra Renan: “A voz do povo é a voz de Deus. E na hora que a população se manifesta em praça pública o faz com sentimento de apreensão e revolta, mas também reagindo às calúnias e à forma como alguns membros do Parlamento têm se comportado”.

Antes de chegar ao residencial, Bolsonaro cumprimentou apoiadores, que se aglomeraram no Aeroporto de Maceió. 

O momento foi registrado e publicado pelo presidente em suas páginas oficiais nas redes sociais:

Bolsonaro diz que executivo da Pfizer “bota ponto final na CPI do Renan”... Presidente parabenizou Pazuello e Anvisa

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 5ª feira (13.mai.2021) que o ex-presidente da Pfizer no Brasil, Carlos Murillo, colocou um “ponto final na CPI do Renan”. A declaração, publicada no Twitter, foi uma referência à CPI (Comissão de Inquérito Parlamentar) da Covid no Senado, que tem Renan Calheiros (MDB-AL) como relator. Bolsonaro também parabenizou a atuação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Carlos Murillo é atualmente gerente-geral da Pfizer para a América Latina. Ele participa de oitiva na CPI nesta 5ª feira. Em seu depoimento, afirmou que o governo brasileiro recebeu 6 propostas para comprar vacinas da Pfizer contra a covid-19 até fechar contrato com a farmacêutica. A primeira oferta ocorreu em 14 de agosto de 2020.

Bolsonaro compartilhou trecho da fala de Murillo aos senadores. No vídeo publicado, o ex-presidente da Pfizer Brasil nega ter tido dificuldades nas negociações com a Anvisa. Ele afirma que a agência “emitiu registro permanente da Pfizer em 22 de fevereiro de 2021” e que o Brasil “foi um dos primeiros países do mundo a ter o registro permanente” do imunizante.

“Gerente Geral da Pfizer na América Latina bota ponto final na CPI do Renan: “o Brasil foi um dos primeiros países do mundo a ter o registro da vacina Pfizer.” – Parabéns Anvisa e Min Eduardo Pazuello”, disse Bolsonaro.

Contrato em negociação com governo prevê 100 milhões de doses de vacina no 4º tri, diz Pfizer

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - O contrato atualmente em negociação entre o governo brasileiro e a Pfizer prevê a entrega de 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19 no quarto trimestre deste ano, disse o presidente da farmacêutica norte-americana para a América Latina, Carlos Murillo, em depoimento à CPI da Covid no Senado nesta quinta-feira.

Murillo disse ainda à CPI que, nas tratativas para o contrato já assinado com o ministério --que prevê 100 milhões de doses da vacina até final de setembro-- a farmacêutica teve conversas com representantes dos ministérios da Saúde, da Economia e também com o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten, que depôs à CPI na quarta.

Vendas da próxima safra de soja do Brasil alcançam 15,2%, diz Datagro

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A comercialização da próxima safra de soja (2021/22) atingiu 15,2% até o dia 7 de maio, estimou a consultoria Datagro nesta quinta-feira, ao apontar um atraso em relação ao ano anterior, mas acima da média histórica para o período.

Um ano antes, quando as vendas estavam aceleradas, 28,2% da produção esperada já havia sido negociada. A média dos últimos cinco anos para a época é de 11,6%.

Já para a o ciclo atual (2020/21), cuja colheita se encaminha para o final, as vendas de soja chegaram a 71,8%, ante 80,6% no mesmo período da temporada anterior e média histórica de 64,3%, afirmou a consultoria em nota.

Ao lado de Bolsonaro, Lira defende voto impresso e nega orçamento paralelo

“Tem que ser possível de auditagem”; Deputado alfineta Renan e CPI da Covid (no Poder360)

O presidente Jair Bolsonaro tem 3 compromissos em Maceió (AL) nesta 5ª feira (13.mai). Lira participou do 1º deles, a entrega de casas do programa Casa Verde e Amarela

O presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), disse nesta 5ª feira (13.mai.2021) que é importante que a Casa analise o voto impresso para que “não paire dúvida na cabeça de nenhum brasileiro”. Deu a declaração em evento de entrega de casas do Residencial Oiticica I, em Maceió (AL), ao lado do presidente Jair Bolsonaro.

“É importante para que não paire dúvida na cabeça de nenhum brasileiro. Temos que respeitar o sistema eleitoral, mas ele também tem que ser possível de auditagem. Ontem, nós, ao final da sessão, assinamos um ato criando a comissão especial que vai analisar o texto do voto auditável no Brasil”, disse Lira.

Assista ao momento:

Alguns convidados do evento gritaram “Fora Renan”, “Renan vagabundo”, “voto impresso” e “Globo Lixo” durante os discursos. Em um dos momentos, o ministro do Turismo, Gilson Machado, perguntou se Lira “vai botar pra moer” sobre o voto auditável.  O deputado respondeu positivamente com um gesto. Assista:

O presidente da Câmara também fez críticas indiretas aos integrantes da CPI (Comissão de Inquérito Parlamentar) da Covid no Senado.

“Por mais que sejam ouvidos e aplaudidos em seus 15 minutos efêmeros de fama, os que fazem, esses deixam marcas. Marcas que falam para sempre”, disse. Os senadores têm 15 minutos para discursarem no colegiado.

A viagem de Bolsonaro a Alagoas acontece 1 dia depois de o presidente compartilhar em suas páginas nas redes sociais trecho da discussão ocorrida na CPI da Covid no Senado entre Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e Renan Calheiros (MDB-AL). O chefe do Executivo publicou vídeo de 28 segundos em que seu filho chama o par de “vagabundo”.

LICENCIAMENTO E ORÇAMENTO SECRETO

Lira falou ainda em seu discurso em Maceió sobre a aprovação do licenciamento ambiental nessa 4ª feira (12.mai).

“Nós votamos uma matéria que permite destravar as obras no Brasil, o licenciamento ambiental, menos burocrático, mais liberal, mais responsável. E nós na Câmara não vamos permitir a oposição por oposição daqueles que tentam vender a versão de que o produtor brasileiro defende o desmatamento, de que o produtor brasileiro é quem faz o desmatamento ilegal”, declarou.

O deputado ainda criticou, sem citá-la diretamente, a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada nesse domingo (9.mai), a qual indica que o governo federal teria montado um “orçamento paralelo” para distribuir emendas do tipo RP9 (emendas de relator) a congressistas para aumentar sua base de apoio.

“Se tiver algum desvio, pague quem tiver responsabilidade. Mas a Câmara dos Deputados não se curvará a essa chantagem barata de dizer que o presidente Bolsonaro troca voto por emendas parlamentares”.

 

Tags:
Fonte:
Reuters/Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário