Preços da arroba em SP já chegam até a R$ 155,00 e nem atuais patamares tem garantido a evolução das escalas nos frigoríficos

Publicado em 15/02/2016 11:13
Escalas de abate no máximo de uma semana e pouca disposição do pecuarista em negociar dão sustentação aos preços da arroba

Podcast

Preços da arroba em SP já chegam até a R$ 155,00 e nem atuais patamares tem garantido a evolução das escalas nos frigoríficos

Download

A necessidade de preenchimento das escalas que estão curtas em praticamente todo o país, devido a pausa nas compras no período de carnaval, têm colaborado para a firmeza do mercado neste inicio da semana.

Em São Paulo os negócios acontecem a R$ 152,00 chegando até R$ 155,00/@ a vista. A maioria dos frigoríficos no estado está com programações de abate curtas, de três dias em média, aumentando assim a necessidade de compra.

Do outro lado da balança as indústrias ainda encontram um mercado pouco ofertado, o que também colabora para a elevação das cotações. De acordo com o consulto da Agrifatto, Gustavo Figueiredo, os animais a pasto ainda não chegaram em grandes volumes e os de cocho não são suficientes para suprir a demanda.

Contudo, algumas indústrias ainda aguardam o comportamento do mercado para definição das ofertas. Segundo Figueiredo, até o momento os frigoríficos conseguem bancar as altas no preço da arroba, já que as cotações da carne também estão firmes mesmo com a redução na demanda.

"As margens das indústrias diminuíram na última semana de janeiro, mas falando em preço de carne, em fevereiro o que pode ajustar e vemos possibilidade de novas altas é a exportação. No inicio de fevereiro, os embarques foram bastante otimistas, 48% acima da primeira semana de janeiro, e vemos isso como uma possibilidade de 100 mil toneladas no mês", explica Figueiredo.

Para ele, serão as exportações que delimitaram neste mês a possibilidade de novas altas no preço da arroba. Considerando que o consumo interno não deve sofrer alterações, assim como a oferta de animais.

"Se a exportação der continuidade ao que veio na primeira semana, e houver uma necessidade de escoamento maior, diminuindo os estoques das indústrias. Com certeza iremos para estabilidade com possibilidade de uma leve alta durante o mês, devido a disponibilidade de animais no mercado", destaca o consultor.

Tags:
Por:
Aleksander Horta e Larissa Albuquerque
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Armindo Bochi Santiago - RS

    Na região de Santiago, no Rio Grande do Sul, estamos vendendo o boi gordo com prazo de 30 dias a R$ 5,82 o Kg/vivo, ou seja, a R$ 194 a arroba... o motivo é a pouca oferta de bois prontos para o abate... Este é um dos maiores preços alcançados nos últimos anos... A reposição também está favorável, pois o boi magro (com média de 13 arrobas) é vendido a R$ 5,20 o kg/vivo.

    4
    • marcos joaquim canzi espumoso - RS

      corrigindo ,arroba R$ 174

      0
    • Armindo Bochi Santiago - RS

      Dividindo Cr$ 5.82 o kg do boi vivo por 30 dá 194 ,00 a arroba logo está correto

      2
    • Telmo Heinen Formosa - GO

      Corrigindo os dois numa boa: Considerando-se que o gado aí na região é de bom rendimento, cerca de 55 a 56% então são necessários cerca de 27 kg de Peso Vivo para um Arrôba de peso abatido como se contabiliza no resto do país.

      Portanto, para comparação conosco equivale a R$ 157,14 por arrôba e R$ 140,40 por arrôba no caso do Boi Magro.

      0
    • Telmo Heinen Formosa - GO

      Corrigindo os dois numa boa: Considerando-se que o gado aí na região é de bom rendimento de carcaça, cerca de 55 a 56% então são necessários cerca de 27 kg de Peso Vivo para um Arrôba de peso abatido como se contabiliza no resto do país.

      Portanto, para comparação conosco equivale a R$ 157,14 por arrôba e R$ 140,40 por arrôba no caso do Boi Magro.

      2
    • João Biermann Tapera - RS

      Quando da 51% no frigorífico é bom demais...

      0