A caminho da carne certificada, plantel senepol desponta entre os taurinos pela capacidade de cobertura a campo e precocidade

Publicado em 23/11/2018 10:06 e atualizado em 23/11/2018 12:33
785 exibições
Em poucos anos, plantel está em 100 mil animais, unindo a qualidade da carne do europeu com a rusticidade de seu desenvolvimento no Caribe
Ricardo Arantes - Pecuarista e Diretor da ABCB Senepol

Podcast

A caminho da carne certificada, plantel senepol desponta entre os taurinos pela capacidade de cobertura a campo e precocidade

Download

LOGO nalogo

A alternativa mais ideal para melhorar a qualidade da carne brasileira é realizar o cruzamento industrial com a raça senepol que se adapta ao clima tropical e desponta entre os taurinos. Atualmente, a maior  concentração de rebanhos da raça senepol está no estado de Minas Gerais.

Segundo o Pecuarista e Diretor de Marketing da ABCB Senepol, Ricardo Arantes, faz dezoito anos que o primeiro animal da raça entrou no Brasil. “Hoje, a associação tem sede em Uberlândia/MG  que conta com mais de 100 mil animais puros registrados. Além disso, nós começamos com cinco criadores, e atualmente, somos mais de 1.100 pecuaristas” afirma.

A grande dificuldade dos taurinos no Brasil é a adaptação com as condições climáticas. “Na região sul do país o animal até que vai bem, mas nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Tocantins, Rondônia vai ser muito difícil a reprodução natural”, comenta.

Diferente da raça Senepol que se adapta ao clima tropical, pois foi formado nas ilhas virgens no caribe. “Como o cruzamento industrial é a ferramenta que vai melhorar a qualidade de carne brasileira e o senepol será a alternativa ideal para o cruzamento a nível nacional e de monta natural”, aponta.

Entretanto, há pesquisas internacionais que apontam que a qualidade da carne das raças senepol e angus são semelhantes e o resultado final será o mesmo. “Por esse motivo, a associação resolveu fazer a certificação de qualidade de carne através da entidade brasileira”, completa.

Tags:
Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário