Boi tem tendência de pressão de alta nos estados que estão enviando animais para SP, onde a @ está estabilizada

Publicado em 22/04/2019 12:49 e atualizado em 22/04/2019 15:03
947 exibições
Diferenciais de base de MS e GO devem se equalizar menores. Em SP, R$ 157/158 balcão. Frigoríficos podem tirar o pé das compras se consumo interno não avançar, já de olho no clima mais seco e frio a partir do meio e com produtores terem que partir para a reposição.
Caio Toledo Godoy - Consultor em Gerenciamento de Riscos da INTL FCStone

Podcast

Entrevista com Caio Toledo Godoy - Consultor em Gerenciamento de Riscos da INTL FCStone sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

A tendência é que as cotações do boi gordo tenham uma alta nos estados que enviam animais para ser abatidos em São Paulo, sendo que a arroba no estado paulista está estabilizada. Atualmente, os preços balcão em São Paulo estão ao redor de R$ 157,00/@ a R$ 158,00/@ e a prazo as referências giram próximas de R$ 159,00/@ a R$ 161,00/@.  

Segundo o Consultor em Gerenciamento de Riscos da INTL FCStone, Caio Toledo Godoy, alguns frigoríficos conseguiram alongar as escalas na semana passada. “Esse alongamento das programações se deu por meio das compras realizadas em outros estados para fechamento de dias de abate no estado de São Paulo”, comenta.

As referências para o boi gordo em São Paulo estão estáveis e os outros estados que enviam animais para as regiões paulista começaram a ter um aumento nas cotações. “Isso já era esperado, pois é uma equalização do movimento de diferencial de base. O diferencial em São Paulo e as outras praças estavam muito aberto e agora está voltando para as médias históricas”, explica.

O consultor salienta que os frigoríficos podem diminuir o ritmo de compras caso o consumo interno não avance. “Olhando a demanda interna neste momento e prevendo que podemos ter alguma entrada de oferta, eu acho que é muito provável que nós tenhamos alguma redução no preço arroba em São Paulo”, pontua.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário