Com o boi lento e logo em ritmo de desova, mercado busca proteção e contratos na B3 dobram com pico na semana passada

Publicado em 29/04/2019 12:47 e atualizado em 29/04/2019 16:20
539 exibições
Indústrias estão com escalas folgadas e não dá mostras de busca acelerada para semana de pagamento/dia das mães. R$ 156/156, 75 segue a média pesquisada pela consultoria e corretora Radar em SP. De janeiro a semana passada, os contratos abertos saíram de pouco mais de 5 mil para perto de 10 mil.
Douglas Coelho - Radar Investimentos - São Paulo-SP

Podcast

Entrevista com Douglas Coelho - Radar Investimentos - São Paulo-SP sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Com o mercado do boi em ritmo lento e em desova, boa parte dos pecuaristas estão buscando proteção de preços. Diante desse cenário, os contratos abertos na Bolsa Brasileira (B3) praticamente dobraram de cinco mil passaram para 10 mil na semana passada.

De acordo co o Sócio da Radar Investimentos, Douglas Coelho, os pecuaristas procuraram os frigoríficos o que contribuiu para destravar parte dos negócios na semana passada. “Hoje, já observamos um mercado relativamente mais calmo e algumas indústrias foras das compras e preços de balcão mais comportados”, comenta.

Atualmente, as referências para o boi gordo em São Paulo estão ao redor de R$ 156,00/@ a R$ 156,50/@. “O feriado nesta quarta-feira não atrapalha tanto o mercado neste momento, pois as indústrias não têm mais tanta necessidade de compras urgentes e já completaram as escalas dessa semana”, afirma.

Os valores da carne no atacado deram uma arrefecida e isso contribui para que os frigoríficos testam preços menores. “A gente vem de um período que teve uma retenção forte de animais com chuvas atípicas e acabou deixando o gado mais pesado, podemos ver que os produtores começaram a ver esse mercado de outra forma”, destaca.

Os meses de maio e junho são marcados pela a desova de final de safra. “É possível dizer que pode ter um atraso nesta desova já que choveu um volume acima da média. O animal que deveria sair antes pode ser sair na fase final desse período”, pontua.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário