Boas chuvas em MT garantem qualidade das pastagens e facilitam gerenciamento da oferta de bois, evitando pressões na arroba

Publicado em 09/05/2019 12:40 e atualizado em 09/05/2019 14:49
916 exibições
Frigoríficos pagam entre R$ 145 e R$ 147 por arroba para o boi Europa em MT e entre R$ 142 e R$ 143 para o animal comum
Neto Gouveia - Presidente da Comissão de Pecuária da Famato

Podcast

Entrevista com Neto Gouveia - Presidente da Comissão de Pecuária da Famato sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

No estado do Mato Grosso/MT, os bons volumes de precipitações não garantiram a boa qualidade das pastagens e facilitou o gerenciamento das ofertas de animais para evitar a pressão na cotação da arroba. A tendência é que o capim fique desidratado daqui a trinta dias com o fim das chuvas.

De acordo com o Presidente da Comissão de Pecuária da Famato, Neto Gouveia, as pastagens apresentam qualidade excelente na maioria das regiões do estado, mas o mercado do boi está muito confuso. “Na região de Cáceres, é usado muito o modelo de semi-confinamento já que a diária é muito mais barata do que no confinamento”, afirma.

Atualmente, os preços da ração estão ao redor de R$ 0,55/kg e a expectativa é que a produção da safrinha de milho fique acima da média. “A tendência é que os valores da saca venham a cair dentro de dois meses em  torno de R$ 10,00, tendo em vista que hoje as cotações estão próximas de R$ 29,00 a saca”, pontua.

Neste momento, os preços para o boi Europa giram ao redor de R$ 145,00/@ a R$ 147,00/@. No caso do animal comum, os valores estão próximos de R$ 142,00/@ a R$ 143,00/@. “Estamos tendo um descarte maior de vacas vazias com esse período de estação de monta. Quando o preço da carne quem fica com a maior parte são os supermercados, pois o pecuarista e os frigoríficos ficam com a menor percentual”, comenta.

Com relação às escalas de abate, a liderança salienta que algumas plantas estão com programações para cinco dias úteis e têm outras que estão escalando apenas para o dia 25 de maio.

Por: Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário