Oferta restrita de animais em MS esbarra em demanda fraca por carnes e evolução dos preços da arroba no estado ainda é lenta

Publicado em 13/09/2019 12:39 e atualizado em 13/09/2019 14:17
386 exibições
Pastagem seca e a consequente redução de oferta, China comprando de frigoríficos do estado e maior demanda com festas de final de ano ampliam perspectivas de melhora dos preços da arroba
Frederico Stella - Diretor da Famasul

Podcast

Mercado do Boi Gordo - Entrevista com Frederico Stella - Diretor da Famasul

Download

LOGO nalogo

No estado do Mato Grosso do Sul, os pecuaristas acreditam em uma tendência de alta nos preços da arroba nos próximos meses em função da estiagem e da falta de oferta de animais de pasto. No entanto, a demanda fraca tem impedido o avanço nas cotações nos últimos dias.

De acordo com o Diretor da Famasul, Frederico Stella, o estado registrou uma melhora dos preços, mas não foi motivada pela a habilitação de frigoríficos para exportar para a China. “No Mato Grosso do Sul foram habilitadas duas plantas frigoríficas de pequeno porte, porém isso é o começo com uma ótima notícia”, afirma.

A liderança destaca ainda que as referências estão subindo ao redor R$ 1,00/@ por semana com os valores atuais próximos de R$ 149,00/@. “Eu acredito que a alta verificada nestes dias continua sendo a estiagem severa que nós estamos sofrendo aqui e os animais de pasto já acabaram bastante tempo”, comenta.

A expectativa é que a oferta de animais no pasto comece a ter só a partir de dezembro após o retorno das chuvas. Os produtores rurais conseguiram comprar milho mais em conta do que nos anos anteriores. “Não compramos um cereal barato, mas uns preços mais baixos e a partir da evolução dos preços podemos ter um segundo giro do confinamento um pouco maior”, ressalta.

Na localidade, as escalas de abate estão diferentes em frigoríficos de porte pequeno e das indústrias maiores. “As grandes empresas estão com escalas um pouco melhor próxima de uma semana, mas todos estão com programações curtas e os pequenos têm necessidade imediata de compra com três a quatro dias úteis”, reforça.  

Por: Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário