Arroba do boi a R$ 200 pode acontecer ainda no primeiro trimestre de 2020, diz analista. Próximo alvo é R$ 180 para novembro

Publicado em 25/10/2019 13:06 e atualizado em 25/10/2019 15:24
13625 exibições
Mercado segue aquecido e boi China é o grande destaque
Caio Junqueira - Analista de Mercado da Cross Investimentos

Podcast

Mercado do Boi Gordo - Entrevista com Caio Junqueira - Analista de Mercado da Cross Investimentos

Download

LOGO nalogo

A expectativa de mercado é que as referências para o boi gordo cheguem aos patamares de R$ 200,00 nos próximo trimestre de 2020. Já para o próximo mês de novembro, as projeções indicam que os preços fiquem próximos de R$ 180,00/@ para o animal com destino a exportação.

De acordo com o Analista da Cross Investimentos, Caio Junqueira, a arroba ainda tem fôlego para continuar subindo no mercado interno e demanda externa aquecida. “Tem um mercado muito promissor e temos esse boi com padrão exportações que começou a puxar essa alta, mas a oferta esse animal vai ficar cada vez mais difícil até meados de março”, relata. 

No aplicativo da AgroBrazil foram registrados negociações à prazo para janeiro/20 de R$ 183,00/@. “As empresas estão indo atrás de matéria prima para não deixar o grande comprador, que é a China, na mão. A boa notícia é que tem um bom consumo e um bom player que paga ótimos preço, porém se esse mercado deixar de importar vamos cair em um abismo”, comenta.

Na opinião do analista, os valores ofertados para a arroba devem chegar facilmente aos patamares de R$ 175,00/@ na próxima semana. “Já tivemos negócios de R$ 171,00/@, à vista e também tem ofertas de R$ 172,00/@, à prazo com trinta dias. Esses valores não são todas as indústrias que estão ofertando e não todo tipo de boi, mas é uma realidade”, disse.

Caio Junqueira explica que a Bolsa Brasileira é o reflexo do mercado atual. “Não adianta pecuária olhar os preços futuros e fazer prognóstico de alta com os valores, mas o produtor precisa saber utilizar as ferramentas disponíveis no mercado para fazer trava de preços”, aponta.

Por: Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário