Preço da carne bovina recua 3% em abril enquanto frango perde 15% e suíno registra baixa de 25% no mesmo período

Publicado em 28/04/2020 13:35 e atualizado em 28/04/2020 15:06 2345 exibições
Cesar de Castro Alves - Consultor de Agronegócio do Itaú BBA
Ajuste da oferta de animais foi fundamental para evitar recuo na @ do boi, mesmo diante de uma menor demanda no consumo interno da carne

Podcast

Entrevista com Cesar de Castro Alves - Consultor de Agronegócio do Itaú BBA sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Com o isolamento da população e os serviços de food service fechados, os preços da carne bovina recuaram apenas 3% no mês de abril, enquanto, os valores do frango tiveram um recuo de 15% e de suínos 25% durante o mês. Os valores da carne bovina não foram tão impactados em função de uma menor disponibilidade de animais no mercado. 

De acordo com o Consultor de Agronegócio do Itaú BBA, Cesar de Castro Alves, a firmeza nos preços da arroba se deve a oferta restrita de animais. “Eu acredito que vamos ter pastos com boas condições nos próximos trintas dias, mas o pecuarista está segurando o animal já que as indústrias estão com o apetite menor em função ao isolamento da população”, comenta. 

A demanda externa aquecida para as proteínas de carne bovina e suína nas últimas semanas. “A média diária de carne bovina in natura embarcada registrou um aumento de 12,08% frente aos dados de abril de 2019. O nosso boi é muito barato e com a desvalorização cambial fica mais atrativa ao mercado”, relata.

O consultor destacou que as exportações vão contribuir para escoar a carne bovina no mercado interno, mas que as projeções econômicas podem afetar o volume exportado. “Com o bom ritmo da exportação, os preços da carne bovina tende a se manter em bons patamares e se esse produto não for escoado fica no mercado interno e registra um recuo leve na arroba”, afirma.

Leia também: 

>> Boi: Média diária exportada registrou um aumento de 12,08% na comparação anual

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário