Cotação do boi pode romper, nos próximos dias, o recorde nominal batido no final ano passado quando a @ alcançou R$ 231,35

Publicado em 30/07/2020 12:57 e atualizado em 31/07/2020 09:41 2876 exibições
Douglas Coelho - Sócio da Radar Investimentos
Exportações recordes de carne também podem ser batidas agora em julho atingindo volumes maiores que as 160,1 mil toneladas vendidas em outubro de 2019

Podcast

Entrevista com Douglas Coelho - Sócio da Radar Investimentos sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

As cotações do boi gordo no mercado físico podem romper o recorde nominal de R$ 231,35/@ nos próximos dias, já que a oferta de animais segue restrita e as programações de abate curtas. Com a virada do mês, o mercado atacadista vai precisar se abastecer para atender a demanda interna do início de mês.

De acordo com o Sócio da Radar Investimentos, Douglas Coelho, os pecuaristas não se sentiram estimulados a investir no confinamento em julho. “Existem confinadores que investem o ano inteiro e que atuam no ciclo completo, esses investidores sofrem menos com os preços do boi magro”, comenta.

No início da semana as indústrias estavam ofertando valores de R$ 220,00/@ para o boi China, mas tiveram que oferecer preços maiores para completar as programações de abate. “Apesar da arroba mais valorizada, as escalas de abate seguem curtas e não registraram evolução. A oferta restrita de animais também impacta no ágio entre o boi china e o animal comum, na qual tem registrado um encurtamento dos preços”, relata.

Com relação aos preços da carne no atacado, o analista salienta que o consumo de carne está sendo positivo e teve uma pequena elevação dos preços da carcaça. “No dia 20 de julho, nós tínhamos uma referência da carcaça de R$ 13,92/kg, e hoje, está próxima de R$ 14,16/kg”, destaca.

Do lado da demanda externa, a participação das exportações deve aumentar e deve se consolidar em 35% do total embarcado. “Nós podemos ter um volume recorde embarcado em julho e os chineses seguem com problemas no controle da peste suína. As nossa estimavas apontam que as exportações devem alcançar 170 e 174 mil toneladas”, alerta.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário