Arroba de R$ 270,00 para boi China já é realidade em SP, diz Safras & Mercado

Publicado em 19/10/2020 12:53 e atualizado em 19/10/2020 14:49 7011 exibições
Fernando Henrique Iglesias - Analista da Safras & Mercado
Carne no atacado também reage, mas o valor ainda é insuficiente para tirar frigoríficos de mercado interno do vermelho, diz analista. Algumas unidades já sinalizam redução no abate e férias coletivas

Podcast

Entrevista com Fernando Henrique Iglesias - Analista da Safras & Mercado sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Negócios para os animais com padrão exportação estão sendo realizados a R$ 270,00/@ no estado de São Paulo, mas a tendência é que os preços fiquem acima desse patamar ao longo desta semana. Para esse último bimestre, a expectativa é que a potência asiática aumente o volume importado de proteína do Brasil já que precisa preencher um déficit de até 10 milhões de toneladas.

Segundo o Analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o animal destinado ao mercado interno também tem registrado valorizações nas cotações. “Em São Paulo, estão ocorrendo negócios a partir de R$ 260,00/@ a R$ 265,00/@ conforme o acabamento do animal. O spread entre o mercado doméstico e externo está distante devido à demanda Chinesa”, comenta.

Algumas indústrias frigoríficas que atuam na exportação estão recebendo consulta para ampliar o volume de vendas com destino ao mercado chinês. “Por isso, não devemos ter uma pressão baixista nos preços tão cedo. Vale lembrar que esse movimento não fica restrito apenas a pecuária, mas sim a todo o setor de carnes brasileiras”, ressalta.

No atacado, a referência para o traseiro está ao redor de R$ 19,50/kg e significa que o consumidor final tem absorvido os preços atuais. “Nós também já observamos um movimento de migração para outras culturas, principalmente a carne de frango. O consumidor final pode não ter tanta capacidade para absorver tantos reajustes da carne bovina”, relata.

A reabertura dos comércios na praça paulista tem contribuído para o enxugamento da produção no mercado interno. “Isso motivou o aumento nos preços dos cortes traseiros com os bares e restaurantes refazendo seus estoques, isso gera uma demanda adicional por cortes nobres”, reporta.

Do lado da oferta, o analista aponta que o mercado está dependendo do volume de animais do confinamento. “As pastagens estão deteriorada no Centro-Oeste e isso acaba atrasando a engorda dos animais de pasto. Nós acreditamos que esses gados vão estar prontos para o abate somente só no primeiro trimestre do ano que vem e deve gerar uma lacuna de oferta em um momento de demanda aquecida”, afirma.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Arnaldo Passos

    Todas as pessoas que tiraram a bunda da cadeira e não acreditaram no " fique em casa", estão com a geladeira cheia.

    O resto é mi- mi - mi de menino chorão, acostumado com tetas de governo.

    14
  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Mais uma excelente entrevista, retratando bem os efeitos da desvalorização cambial..., lembrando que o iuane se valorizou 30% desde o inicio do ano em relação ao real, o que significa que os chineses não tiveram e não tem que pagar aumento nenhum..., a conta é nas costas do pobre assalariado e do autonomo pobre que ve seu poder de compra ruir... O resultado é esse, frigorificos não conseguem repassar o aumento do preço da arroba no mercado interno e pensam em dar férias coletivas ou fechar. O povo pobre não consegue comer carne, Bolsonaro se ferrou de verde e amarelo e a esquerda volta ao poder. Um pouco de humildade aos produtores de grãos que ganharam muito não pelo mercado mas pela politica economica equivocada de Campos Neto, ou seja, em cima da inflaçao de preços dos alimentos no mercado interno. Vender barato aos estrangeiros pode ser um bom negócio temporariamente, no longo prazo esses que estão com o nariz levantado também poderão andar com a cara para o chão.

    27
    • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

      Salva-se quem puder, mas sr. Rodrigo o cambio é inevitavel, pais estava quebrado, e agora depois de tudo parado, auxilio financeiro, ferrou ainda mais. O dolar é so pra cima por varios anos

      2
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Sr. Elton, sabemos a situação politica do país. Ontem um amigo me enviou um áudio de um sujeito que dizia...o pobre olha a geladeira no inicio do mandato presidencial e depois olha no fim, se tiver menos comida para ele comer ele troca o candidato...Bolsonaro está brincando com isso, o BC é comandado por gente que não entende a realidade economica do Brasil, são cabeças de planilha. Acham que o Brasil não pode tomar o caminho da argentina, mas pode sim...Por isso faço esses alertas.

      9
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Sobre a previsão do dólar não é de se duvidar. Ninguém do governo fala em reduzir gastos, pelo contrário, esses gastos tem aumentado e muito.

      2
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Porém eu penso que se o dólar continuar subindo, Bolsonaro não ganha a próxima eleição.

      5
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      E o Brasil vai estar novamente na mão dos esquerdistas que acusarão o governo de liberal que gosta de fazer o pobre passar fome. Não adianta Bolsonaro dizer que a culpa é da pandemia se o sujeito olha a geladeira e não tem o que comer.

      3
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Ou pior, não tem dinheiro nem para pagar a energia e deixar a geladeira ligada. O presidente Bolsonaro errou feio ao dar ouvidos aos generais Braga Neto, Ramos e Jorge Oliveira e acredito que vai pagar caro por isso. Aquela inauguração do chafariz no nordeste era claramente uma montagem feita com claque. Se essa é a idéia dos generais e milicos preocupados só com cargos...Jorge Oliveira já ganhou um vitalicio..os brasileiros é que pagarão a conta e não serão apenas os pobres....

      3
    • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

      Calma sr Rodrigo, nada é perfeito, mas com o cambio nao se faz de conta, os petistas, o fhc fizeram de conta que a moeda valia muito, e onde fomos parar! Quem faz apreciar o real sao juros altos, e isso nao poderia continuar, pois nao temos inflacao, apreciação fora dos juros, só com solidez economica, e isso é construido em décadas.

      3
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      O problema do Brasil não são só os juros baixos demais, tem a situação fiscal do governo e o problema das LTNs que ninguém aceita mais sem deságio.

      3
    • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

      Acabarao por aceitar, ou onde colocarao seus recursos, no exterior? É inviável...

      5
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Aceitaram, mas com encurtamento da divida, o governo tem mais de 600 bilhões que vencem no primeiro trimestre de 2021. Podem aplicar no exterior com facilidade, hoje em dia qualquer um pode fazer isso através de corretoras. Aliás, os estrangeiros já tiraram bilhões de dólares do Brasil.

      3
    • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

      Mas por que nao fizeram ainda?

      5
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Porque, mesmo com prejuizo, não existem compradores.

      4
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      A solução que o BC encontrou foi lançar titulos com vencimento de curto prazo, se o governo peitar o mercado vai apanhar que nem tambor em festa.

      3
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      O dólar vai a 10 e todos os produtores que venderam milho a 40, vão amargar severos prejuizos... e isso é só um exemplo.

      7
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      E claro, é uma hipótese. Mas fato é que a curva de juros futuros ainda está embicada para cima. Conforme falou o Antonio da Luz na excelente entrevista do Sr. João Batista Olivi.

      1
    • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

      Sua previsao de 10 é perfeitamente possivel, e o mundo nao ira acabar por isso..., o risco hoje é mundial, talvez ate maior la fora do que aqui..., quem vendeu barato talvez até saia do mercado..., a cautela sempre foi o melhor remédio, nao se pode dar ouvidos aos analistas de compradores.

      3
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Quem sabe um dia, todos vocês estejam certos...

      Prioridade nacional, educação de qualidade e sem ideologias para nossas crianças. América Latina, seu problema está na educação de base. Essa ferramenta sempre foi a arma dos políticos e mafiosos para controlar as pessoas através da ignorância das mesmas. Só uma administração militar para mudar isso.

      1
    • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

      Nao acredito em administracao militar, pois cada comandante, general, é um reizinho..., vejo isso constantemente na administracao do setor de CAC (Tiro esportivo) -- muda o general, mudam ate as normas oficiais..., o pres JB determina uma portaria, la vem um general, interpreta do jeitao dele, e deforma a regra..., meu caro, os militares existem para situacoes de conflitos internos ou externos, mesmo assim seria um caos.

      0
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Direito seu. Pra mim nós já estamos no caos politico e social há muitos anos. Muitas vezes uma empresa necessita de uma administração autoritária por um certo período de tempo. Não acredito nesse País da forma que está. Não seremos uma democracia tão cedo. Se engana quem acha que vivemos numa democracia com os níveis de educação de base que possuímos. Infelizmente a força desse grupo político e técnico que aí está não será o suficiente para alcançarmos uma democracia justa e recomendável. Mas as pessoas possuem o direito de acreditar no que quiserem. Eu sou bem democrático mas não sou cego. Viveremos tempos muito ruins se ainda continuarmos com o domínio dessa OAB e dessas organizações criminosas disfarçadas de partidos políticos. A esperança de um patriota sempre irá prevalecer, mas acho que burro eu não sou. Não acredito em fadas nem gnomos. Tomara que você esteja certo.

      0
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Escreve aí, ainda viveremos tempos muitos difíceis. Não temos sustentabilidade. Do jeito que estamos, seremos dominados pelos grupos dominantes de outrora.

      0