Alta da arroba chega a 30% ao longo de 2020 enquanto carne no atacado sobe 25% e no varejo apenas 11%, calcula analista

Publicado em 28/10/2020 13:07 e atualizado em 28/10/2020 16:50 3400 exibições
Yago Travagini Ferreira - Analista de Mercado da Agrifatto
O movimento de alta da @ tem sustentação no curtíssimo prazo, mas fatores como redução das exportações e perda de renda podem interromper trajetória de elevação dos preços

Podcast

Entrevista com Yago Travagini Ferreira - Analista de Mercado da Agrifatto sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, Analista de Mercado da Agrifatto, Yago Travagini Ferreira, informou que os preços da arroba seguem firmes e com tendência para novas altas no curto prazo. “O mercado está projetando valores próximos de R$ 280,00/@ dentro de alguns dias, já que não vemos uma perspectiva de melhora no curto prazo. O mês de novembro costuma ser decisivo para o varejo e para o consumidor que está se preparando para as festas de final de ano”, comenta.

Com relação aos animais de pasto, o analista destaca que as chuvas ainda não impactaram nas pastagens. “A recuperação dos pastos ainda deve demorar e os animais do confinamento não são suficientes para falar que o preço vai cair. Por isso, acreditamos que a arroba deve chegar aos R$ 280,00/@”, aponta.

Do lado da demanda, as exportações de carne bovina devem finalizar o mês de outubro com o maior volume exportado da história. “Para isso o volume exportado neste mês precisa ser maior do que 170,55 mil toneladas como foi visto no mesmo período do ano passado. O bom desempenho nas exportações está sendo justificado pelas compras chinesas”, afirma.

O varejo não está conseguindo repassar o preço da carne para o consumidor final. “Desde 2008 a 2009 o varejo caminha em uma linha superior aos valores no mercado do atacado e ao boi gordo. Só que desde outubro de 2019, quando tivemos aquele pico de preços, os valores no varejo não acompanharam essas altas”, ressalta.

 As referências da arroba registraram um ganho de 30% de janeiro até setembro. Já a carcaça casada teve um ganho de 25% do início do ano até setembro e a média do preço da carne no varejo subiu 11%, ou seja, quase 15% de diferença que o varejo não está conseguindo repassar para o consumidor final.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Alvaro Andrade Biollo

    Isso explica que quem ganha dinheiro com isso sao os frigoríficos, isso é claro ... e quem sempre se lasca com isso é o produtor.. (ee duvido que publiquem isso)...

    0