Arroba do boi tem alta de 35% no ano enquanto carne no varejo sobe entre 10% e 15% de acordo com o corte , diz Rabobank

Publicado em 23/11/2020 12:45 e atualizado em 23/11/2020 16:19 3199 exibições
Wagner Hiroshi Yanaguizawa - Analista de Proteína Animal do Rabobank
Preços da arroba tendem a se estabilizar nos R$ 285 até o final do ano

Podcast

Entrevista com Wagner Hiroshi Yanaguizawa - Analista de Proteína Animal do Rabobank sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, Analista de Proteína Animal do Rabobank, Wagner Hiroshi Yanaguizawa, ressaltou que o mercado do boi gordo passa por um momento ainda muito volátil e com preços ao redor de R$ 285,00/@. “O cenário de oferta restrita de animais segue sustentando os preços da arroba, mas o mercado está pressionado com a queda de braço entre indústria e pecuarista, principalmente para o início do ano que tem uma queda no fluxo da demanda”, aponta.

Do lado da demanda, o setor do varejo tem testado novas valorizações para ver o quanto o consumidor está disposto a aceitar novos preços. “Só que a redução na capacidade de compra do consumidor não tem permitido diante da queda na economia que afeta diretamente o consumo de carne bovina, que é a proteína mais cara”, comenta.

A estimativa é que os preços da arroba não registrem valorizações fortes nos próximos meses, já que em janeiro o consumo costuma reduzir com a população com vários pagamentos. “O próximo deve ser tão desafiador como foi observado neste, porém é preciso ficar atento a segunda onda do coronavírus no Brasil e isso levanta um alerta com relação ao consumo que deve impactar ao setor de food service”, destaca.

O analista aconselha o produtor a busca por alternativas de travas de preços já que os preços da arroba estão voláteis e os insumos devem seguir com valores elevados para o próximo ano. Outro fator que é preciso ficar atento é com a demanda chinesa e vale lembrar que a Peste Suína Africana ainda não foi controlada e as exportações devem seguir aquecidas.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário