Oferta enxuta de animais mantém arroba do boi firme e exportações em níveis menores em 2021

Publicado em 02/03/2021 12:19 e atualizado em 02/03/2021 15:16 2298 exibições
Douglas Coelho - Sócio da Radar Investimentos
No mercado interno, mesmo com início de mês, carne no atacado tem pouca variação

Podcast

Entrevista com Douglas Coelho - Sócio da Radar Investimentos sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

A expectativa é que as exportações fiquem mais aquecidas em março e abril se comparado com os primeiros meses deste ano, porém se os abates recuaram esse cenário pode se inverter. “Se a oferta de animais não der as ‘caras’ é difícil pensar que os embarques devem aumentar muito. O abate precisa melhorar para as negociações fluírem um pouco mais”, destaca o Sócio da Radar Investimentos, Douglas Coelho.

Apesar do dólar elevado, a competitividade da carne bovina no mercado internacional ainda é atraente. “Atualmente, o dólar está R$ 5,70 e a oferta de animais de pasto segue bem limitada em todo o Brasil central”, diz Coelho. 

A estimativa é que os preços continuem estáveis ao redor de R$ 295,00/@ a R$ 300,00/@. “O mercado está muito equilibrado em função da oferta de animais restrita e com dificuldades em repassar valores maiores para a carne no mercado doméstico. Por outro lado, os chineses retomaram as compras após o feriado de ano novo lunar”, relata. 

Os frigoríficos estão com dificuldade em repassar novos preços para os cortes de primeira e acabou gerando uma queda nos cortes de até R$ 0,50 a R$ 0,60 por quilo. “Cortes como o contra-filé, filé migon e coxão mole estão com o escoamento muito lento  e dificuldade de repasse de preços”, comenta. 

As indústrias frigoríficas que atendem ao mercado doméstico têm observado o pior momento dos últimos dois anos em rentabilidade, já que o escoamento da produção é lento no mercado interno e o preço do boi gordo está valorizado. “Os preços da carne tiveram uma valorização significativa analisando ano contra ano, mas os valores do boi gordo tiveram um incremento muito maior”, aponta. 

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário