Exportação de café solúvel recua 2,5% em 2021: Brasil perde competividade e vendas travadas preocupam setor

Publicado em 17/11/2021 15:46 e atualizado em 17/11/2021 16:19 146 exibições
Aguinaldo José de Lima - Diretor de Relações Institucionais da ABICS
Gargalos logísticos também segue no radar do setor, apesar de número mensal mostrar certa estabilidade

Podcast

Entrevista com Aguinaldo José de Lima - Diretor de Relações Institucionais da ABICS sobre a Exportação de café solúvel

 

Segundo levantamento estatístico realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics), as exportações brasileiras do produto somaram 310.730 sacas de 60 kg em outubro de 2021, volume que representa aumento de 1,6% na comparação com as 305.787 sacas registradas no mesmo mês do ano passado.

Com o desempenho, a entidade informa que os embarques de solúvel saltaram para 3,273 milhões de sacas no acumulado deste ano, montante 2,5% inferior ao apurado entre janeiro e outubro de 2020 (3,356 milhões de sacas), ano em que foi batido recorde histórico nas remessas.

"Diante de todos os gargalos logísticos no comércio marítimo mundial e da forte elevação dos custos de produção, os cafés solúveis do Brasil demonstram resiliência e mantêm a característica do país de fiel e maior produtor e fornecedor global", analisa Aguinaldo Lima, diretor de Relações Institucionais da Abics.

QUESTÕES LOGÍSTICAS E VENDAS TRAVADAS PARA 2022 PREOCUPAM

Segundo ele, o setor possuía expectativa para a quebra de novos recordes em 2021, mas teve que rever suas projeções devido à elevação nos preços da matéria-prima e aos constantes problemas logísticos de escassez de contêineres e navios, o que gerou dificuldades e aumento nos custos para todo setor exportador brasileiro.

"Os problemas climáticos, como a seca e as altas temperaturas no fim de 2020 e, mais recentemente, as geadas no parque cafeeiro, geram incertezas quanto à safra 2022 e ocasionaram uma disparada dos preços nos mercados físico e internacional, gerando lentidão nas decisões de compras futuras dos clientes internacionais do café solúvel brasileiro", justifica.

Lima completa que, atualmente, os compradores do produto nacional aguardam uma estabilização das cotações para realizarem suas aquisições. “Isso preocupa o setor, pois afeta as expectativas e o planejamento das empresas, impactando, consequentemente, as compras de matéria-prima no mercado interno, lembrando que o café solúvel é comercializado com antecedência de, no mínimo, seis meses de prazo para as entregas”, aponta.

DESTINOS

De janeiro ao fim de outubro deste ano, o Brasil exportou seus cafés solúveis a 113 países, com os Estados Unidos sendo o principal cliente do produto. Os norte-americanos importaram 556.551 sacas nos 10 primeiros meses de 2021, o que representa 17% do total. Na sequência, vêm Rússia, com 301.718 sacas (9,2%); Argentina, com 289.275 sacas (8,8%); Japão, com 234.559 sacas (7,2%); e Indonésia, com 205.883 sacas (6,3%%).

CONSUMO

O consumo de café solúvel no Brasil segue em expansão e registra aumento de 5,4% no acumulado entre janeiro e outubro de 2021. No período, os brasileiros consumiram o equivalente a 833.409 sacas de 60 kg, acima das 790.993 sacas consumidas no mesmo intervalo do ano passado.

Por:
Virgínia Alves + ABICS
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário