La Niña de intensidade forte, mas sem prejuízos para produção no Brasil

Publicado em 18/12/2017 13:56 e atualizado em 27/12/2017 13:04
16937 exibições
Fenômeno segue no segundo semestre, mas perde força durante o plantio da safra 2018/19
Confira a entrevista com Luiz Carlos Molion - Climatologista

LOGO nalogo

O climatologista Luiz Carlos Molion conversou com o Notícias Agrícolas nesta segunda-feira (18) para destacar os desdobramentos do La Niña neste ano e suas possíveis implicações para a safra brasileira.

De acordo com Molion, o La Niña está confirmado e deve ser de forte intensidade, mas, de acordo com os padrões de similaridade, ele "não vê problemas para a produção no Brasil" no horizonte.

Ele destaca que as temperaturas no Oceano Pacífico estão cerca de -3°C a -4°C abaixo da média. Considerando a sua extensão e a sua produtividade, são cerca de 8 milhões de km³ de água que estarão sob o resfriamento, ficando difícil um aquecimento até o mês de março. Assim, ele aposta na força do fenômeno, que deve durar até março ou abril de 2018.

O segundo semestre também deve entrar em um La Niña mais fraco a partir do mês de outubro, durando até março de 2019. Depois, em 2019 e 2020, o El Niño deverá marcar presença - contudo, este será mais fraco do que nos anos 2005 e 2006.

Molion parte de padrões de similaridade com o El Niño de 1997 e 1998 para identificar essas afirmações. Estes padrões indicam que, embora haja a redução do volume de chuvas, a produção não deve ficar comprometida no país. De janeiro a março, com exceção da fronteira do Brasil com a Bolívia, que poderá ter uma redução de chuvas de 20%, o padrão de chuvas deve ser dentro da normalidade ou com chuvas de 10% a 30% acima da média.

A condição, assim, não é ruim para a produção agrícola do país, mesmo para o período de safrinha: as chuvas deverão se reduzir entre os meses de abril a junho, mas as reservas hídricas do solo podem auxiliar no desenvolvimento.

Além disso, a possibilidade de um veranico também é menor, já que há uma grande circulação global de frentes frias próximas à região equatorial, fator que deve ser de grande influência para ambos os hemisférios.

Ao final da entrevista, o climatologista também respondeu a perguntas dos produtores.

 

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

3 comentários

  • José Eduardo da Silva Janaúba - MG

    Concordo com o dr Molion, no semi-árido vamos ter muita chuva neste periodo de 2017 até 2020.

    2
  • Júlio Pedro Bertagnolli Borella Passo fundo - RS

    Com certeza estamos sofrendo já a ocorrência do fenômeno. Aqui no norte do Rio Grande do Sul as chuvas estão muito irregulares e temos lugares sem chuva há 30 dias. As frentes frias são muito fracas e não chegam à nossa região, qdo chegam só algumas garoas. Vai ser uma safra com grandes quebras com certeza , pelo menos aqui no RS.

    4
  • Amon Ra -

    Interessante as analises do Dr Molion, pois, de todas as noticias que vem circulando nos meios de comunicação, ele foi o único que apresentou dados plausíveis de analise... e desde o começo do ano já vinha afirmando sobre a ocorrência de la nina e sua atuação, ao contrario dos demais institutos que em março falavam de el nino. Ele, fazendo suas projeções por similaridade, acerta mais que os modelos matemáticos.

    12
    • VILSON AMBROZICHAPADINHA - MA

      Faz quatro anos que trazemos Dr Molion pra nos adiantar sobre o clima e estamos satisfeitos com o indice de acertos nos seus prognósticos.

      3
    • VILSON AMBROZICHAPADINHA - MA

      No sul do Maranhão as condicionantes para o La Ninã estão instaladas. 400 mm em quinze dias, com cinco eventos. No Sul do Brasil já aparecem bolsões secos, como no norte do RS e PRr. Então o La Niña que Dr Molion sempre prognosticou está aqui .

      8
    • EDUARDO FERRAZ PACHECO DE CASTROCUIABÁ - MT

      Amon, os institutos falavam em neutralidade não em La Niña (só pra deixar seu comentário ainda mais coerente). Parabéns ao Dr. Luiz Molion que vem aprimorando sua metodologia e contribuindo com o acerto nas previsões.

      2