Seca no centro-sul é a maior em 40 anos e os modelos de previsão continuam errando, diz Sentelhas

Publicado em 06/11/2020 12:44 e atualizado em 08/11/2020 04:17 14053 exibições
Paulo Sentelhas - CTO da Agrymet
Entrevista com Paulo Sentelhas - CTO da Agrymet

Podcast

Entrevista com Paulo Sentelhas - CTO da Agrymet sobre o Clima

Download

A safra no centro-sul do Brasil passa por um momento crítico, os modelos meteorológicos continuam apresentando falhas gritantes e, ao produtor, só resta correr riscos para não perder as janelas de plantio. O professor Paulo Sentelhas, (especialista da Esalq/USP em meteorologia aplicada na agricultura), não esconde sua inquietação com os erros e as baixas assertividades dos programas meteorologicos nos quais se baseam as previsões de chuvas para o País.

-- "O grau de incerteza aumentou muito nos últimos dias, e os produtores reclamam dos erros da meteorologia com toda a razão", diz o professor Sentelhas. "Os institutos de previsão ainda não se deram conta que estamos debaixo de uma grande seca que aflige o sul do Brasil, o 2.o maior evento dos ultimos 40 anos".

A prova das incertezas são as chuvas que deverão alcançar a região central do País nesta semana.

--  "Antes os modelos mostravam chuvas gerais para o País a partir do dia 8, segunda-feira; logo em seguida os institutos mudaram as previsões para o dia 12, e até sexta-feira já trocavam a chegada das chuvas para o dia 15, com possibilidade até mesmo de o evento não acontecer. Aí, nas últimas horas, os satélites do NOAA (serviço de meteorologia norte-americano) voltaram a mostrar a formação das chuvas para o dia 10... é muita mudança em poucas horas, é impossivel manter qualquer previsão, e a insegurança é geral", explica Sentelhas.

Até o momento os modelos indicam que as chuvas  estacionadas do Norte do País e Matopiba descerão para o Centro-Oeste, Brasil Central e Sudeste a partir da tarde deste domingo. "Mas não devemos esperar grandes volumes; o mês de novembro vai continuar com umidade abaixo da média no centro sul".

A preocupação é com a água armazenada no sub-solo. Com base em dados recebidos em 11 mil e 600 pontos de coletas espalhados pelo Brasil, o professor de agrometeorologia traça um "grid" do balanço hídrico da safra e conclui que o quadro no centro sul é muito crítico.

"Há impactos severos nas áreas de cana e café de S. Paulo e Sul de Minas; o replantio é geral no Oeste do MT e o Sul terá uma sequencia de baixos volumes que mudarão a oferta de produção de grãos", complementa Paulo Sentelhas.

(Acompanhe seu depoimento no vídeo acima).

 

Ondas de calor e mudanças climáticas impactam na produção de trigo mundial

Abitrigo analisa desafios a serem superados com crise hídrica

A Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) reuniu na tarde de quinta-feira, 05 de novembro, representantes da cadeira tritícola mundial no webinar “Safra Internacional 20/21” com  objetivo de traçar um panorama sobre as perspectivas da safra, qualidade, volume, estoques e comportamento de preços na Argentina, Canadá, Estados Unidos, Paraguai, Rússia, União Europeia e Uruguai diante das alterações climáticas causadas pelo fenomeno La Niña.

A moderação ficou por conta do diretor do Grande Moinho Cearense, Adriano Campos que destacou que 2020 tem sido um ano paradoxal, com preços elevados em todos os países e uma safra recorde no mundo. Segundo ele, com o dólar elevado, os moinhos tiveram aumentos substanciais no custo de produção e o repasse para os preços das farinhas deve ocorrer em breve.

“Tivemos uma safra de 773 milhões de toneladas: a maior da história mundial. O setor esperava que com isso os preços fossem mais baixos e não foi o que tivemos. O que ocorreu foram preços elevados em todos os países. O cenário mostrou a Rússia como formadora de preço. A Argentina, nesta mesma época no ano passado, vendia trigo a US$ 180/tonelada e hoje se fala em US$ 250, um crescimento de 36% em relação a 2019”, exemplificou.

Argentina

Os produtores estão contentes, mas a indústria nem tanto. Foi o que mencionou o presidente da Camara Arbitral de la Bolsa de Cereales, Javier Bujan, sobre a alta dos preços do trigo com um incremento de 12% sobre o valor FOB até agora.

Além disso, a produção argentina pode ser comprometida pelas fortes ondas de calor, falta de chuvas e incidência de geadas. As áreas mais atingidas pela seca na Argentina foram as regiões de Córdoba e Santa Fé. A expectativa para colheita em junho era de 20,5 milhões de toneladas. Em setembro, o cálculo foi refeito e chegou-se em 18 milhões de toneladas. Porém, esse valor provavelmente será ainda inferior e a Argentina deve chegar 16,8 milhões de toneladas de trigo produzidas em 2020.

“Houve ainda redução de área em 165 mil hectares, não por abandono e, sim, pela seca. A safra até agora atinge apenas 6,1% da área colhida e é a área mais afetada pela estiagem. Teremos que esperar os próximos 45 dias para realmente saber como chegaremos ao final da safra”, afirmou.

“Sabíamos que as secas iriam existir, mas não que seriam tão duras. As ondas de calor acabaram prejudicando ainda mais, lamentavelmente as chuvas chegaram tarde e as perdas de rendimento e produto são inevitáveis”, lamentou.

Canadá

O país norte-americano, em 2020, registrou uma excelente safra em questão de volume e qualidade, de acordo com o diretor de Análise de Mercado e Política Comercial da Cereals Canada, empresa que representa toda a cadeia do setor no país, Daniel Ramage.

Os produtores já terminaram a colheita e com apenas 2% de aumento da área plantada, a produção obteve um rendimento 45% maior, considerado acima da média dos últimos dez anos, com média de 3,55 toneladas colhidas por hectare e volume total de 764 milhões de toneladas. Deste montante, a parcela de exportação é considerada pequena pelo especialista, pois apenas 25 milhões de toneladas serão comercializadas a outros países.

 “Tivemos bons níveis de umidade do solo e as chuvas vieram no momento correto proporcionando boas condições do inicio do plantio. Na colheita, as temperaturas pouco acima dos 30 graus nos favoreceram e também a pouca incidência de chuva neste período foi primordial”, comentou.

Estados Unidos

As exportações de trigo dos Estados Unidos para a América do Sul, entre janeiro e outubro deste ano, chegaram a 2,25 milhões de toneladas, sendo que o Brasil teve participação de 32%. As exportações de trigo dos EUA para o Brasil aumentaram de 91% em relação ao ano passado, saltando de 376 mil toneladas para 721 mil toneladas embarcadas. Os números foram apresentados pelo diretor da US Wheat Associates Sudamerica, Miguel Galdos. Segundo ele, para 2021, a perspectiva é positiva e deve registrar um crescimento de 84% do volume exportado para o Brasil.

“Este foi o maior volume dos últimos quatro anos. Estamos muito agradecidos pela indústria da moagem brasileira e temos observado uma constante crescente neste mercado, principalmente, devido à situação de seca que não só atinge a Argentina, mas toda a America do Sul e já pode ser considerada a maior seca dos últimos 18 anos”, comentou.

O baixo nível de umidade dos solos não é exclusivo da América do Sul. O diretor sinalizou que há também uma preocupação por parte dos produtores norte-americanos de que a umidade não seja suficiente para germinar o trigo com previsão de colheita em 2021.

Paraguai

A forte estiagem e as geadas tardias também comprometeram a qualidade do trigo paraguaio. Foi o que apresentou o presidente da União de Cooperativas do Paraguay – UNEXPA S.A., Ruben Zoz.

As estimativas para 2021 são de 400 mil hectares de área plantada, com produção estimada em 2,95 toneladas/hectare, alcançando um total de 1,18 milhões de toneladas, sendo que o Brasil é responsável pela compra de 222 mil toneladas. Na questão de preços, o produtor deverá receber U$ 225/tonelada.

“O Paraguai teve um crescimento de 26% de área cultivada de trigo entre 2005 e 2020. No entanto, nos últimos cinco anos, reduzimos a área para a cultura em 12%. Para 2021, da nossa produção total, devemos contar com excedente de 580 mil toneladas para exportação, mas isso em condições climáticas favoráveis”, apostou.

“Nosso foco está em produzir qualidade de trigos melhoradores e estamos incentivando os produtores para que eles possam trazer variedades que atendam as demandas dos moinhos e padeiros, que resultem num produto que o consumidor final queira adquirir”, completou.

Rússia

A Rússia cumpriu a promessa de trazer aos moinhos brasileiros uma qualidade diferenciada e preços competitivos. Os primeiros navios aportaram nos últimos dois anos e, em 2020, o país deve encerrar a entrega de 235 mil toneladas. As informações foram fornecidas pelo Head Wheat da SODRUGESTVO, Douglas Araújo.

“Essa campanha começou mais cedo com embarques em julho e outubro. Ainda temos oito navios em execução, que estão na reta final de entregas. O que favoreceu foram os preços abaixo dos U$ 200 e os moinhos brasileiros puderam fazer bons negócios”, comentou.

Com extensas áreas disponíveis, vocação para culturas de inverno e corredores logísticos estabelecidos, a Rússia tem potencial para alavancar ainda mais e estender a produção exportação do grão. Para 2021, são esperados 83 milhões de toneladas, sendo que 39 milhões são destinadas a outros países, fazendo da Rússia a líder global em exportação de trigo.

As questões climáticas também preocupam os russos, pois este ano registrou-se o maior déficit hídrico desde o final dos anos 90. “Choveu, mas talvez não seja suficiente. Então o clima pode afetar a próxima safra”, indicou.

União Europeia

A safra da Europa sofreu queda este ano, principalmente, na França, Alemanha, Inglaterra e Bulgária. Isso ocorreu devido à competitividade da Lituânia e dos países bálticos. De acordo com o trader da Grain Merchant Wheat - Soufflet Négoce, Victor Buczynski, as exportações caíram em mais de 10 milhões de toneladas em 2020 na União Europeia.

“A área de semeadura também foi reduzida e o clima impactou a produção, pois a primavera foi seca e a produtividade caiu em consequência. Este ano, a exportação deve chegar aos 7 milhões de toneladas, em média”, afirmou.

Para os europeus, este ano tem sido especial graças à entrada de um novo cliente.  Com o fechamento do mercado americano, a China passou a comprar trigo francês, alcançando 1,5 milhões de toneladas até agora, com perspectiva de incremento de mais 1 milhão de toneladas.

Uruguai

O Uruguai está no final da sua colheita e os números da safra serão conhecidos em dezembro. A expectativa é de que o país deve alcançar 776 mil toneladas de trigo colhidas. Este foi um dos números apresentados no webinar pela representante do Ministerio de Ganadería, Agricultura y Pesca, Catalina Rava. Segundo ela, para 2021, deve haver uma redução em 2% na produção, com estimativa de 760 mil toneladas do grão.

“Devemos reduzir também a área semeada em 8%, com uma superfície de 217 mil hectares. Até o momento, o nosso cultivo apresenta um estado sanitário excelente. As safras alcançarão boa germinação, com estágio de enchimento dos grãos ótimo e não se registrou nenhum problema de doenças, como fusariose”, comentou.

No quesito exportação, o Brasil recuperou o seu protagonismo nas compras e chegou a 240 mil toneladas, sendo responsável por 82% de todas as exportações de trigo uruguaio.

O produtor uruguaio também deve comemorar no preço pago. Para a nova safra 2020/2021, a expectativa é de U$ 203/tonelada, em média, o que representa um aumento de 19% a mais do que foi recebido há um ano: U$ 171/tonelada.

Para a próxima safra, o Uruguai aguarda bons rendimentos e boa qualidade; no entanto, o que preocupa é o déficit hídrico e a possibilidade dos impactos do efeito climático La Niña. “O trigo possui um ciclo mais longo e é muito suscetível às consequências da seca”, afirmou.

O webinar “Safra Internacional 20/21” pode ser conferido na íntegra no canal da Abitrigo no link: https://youtu.be/rvkTn8f32bs

Fonte:
Notícias Agrícolas/Abitrigo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

4 comentários

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Segundo o professor Sentelhas, para as previsões de curto prazo, na falta de computadores que façam os cálculos que não são poucos, eles precisam "simplificar" os modelos, ou seja diminuir os cálculos para poderem finalizar os cálculos e emitir as previsões.

    Com o advento do computador quântico essa dificuldade será vencida mas, a inexorável complexidade da natureza... Ah! Essa vai continuar a existir.

    QUEM VIVER VERÁ !!!

    1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Segundo um dos maiores cientistas da atualidade e, autor do livro "Criação Imperfeita", onde através de uma linguagem simples consegue transmitir ao leitor que o mito "A Natureza é Perfeita" não passa de um mito!!! ... Essa "bola" que chamamos Terra é apenas um entre TRILHÕES de planetas do Universo... (O autor, Marcelo Gleiser, ao contrário de muitos cientistas, acredita em DEUS ...)

      0
    • Antonio Carlos Ribeiro Nogueira Jacarezinho - PR

      A questão está justamente no fato das previsões serem feitas através de "modelos". Acontece que os modelos, ao contrário das inferências criadas a partir de Princípios Gerais, devem ser confirmadas à posteriori, pois os modelos, normalmente confeccionados com ferramentas estatísticas, nem sempre se confirmam (dependem de variáveis como tamanho das amostras, tempo envolvido, etc).

      Para se ter uma idéia, a Ciência Mecânica Racional (Newtoniana), tem em seu arcabouço, cinco Princípios Gerais: Conservação da Masa, Conservação da Quantidade de Movimento Linear, Conservação da Quantidade de Movimento Angular, Conservação da Energia e Princípio do Aumento da Entropia. Além de Leis Constitutivas (sendo a Lei da Viscosidade de Newton uma delas). E ainda assim, quando se pesquisa em Mecânica dos Fluidos Computacional, devido à dimensão de malhas para se captar os vórtices menores e a necessidade de uma capacidade computcional muito grande, se faz uso de "modelos" para poder modelar escoamentos turbulentos. O que acarreta sempre a necessidade de se confirmar os resultados com estudos prévios experimentais.

      Assim, as Ciências Sociais e Econômicas fazem uso em larga escala de "modelos", via de regra, com a ajuda de ferramentas estatísticas, sem uma validação a posteriori.

      No caso da Ciência Economia, penso que se pode considerá-la uma Ciênca pouco Robusta, justamente por ter apenas um Princípio Geral, a Lei da Oferta e da Procura.

      0
  • Elton Szweryda Santos Paulinia - SP

    Para bom entendedor, meia palavra basta...., não vendam soja e milho futuro... pois teremos quebra de producao severa e aumento substancial nos preços atuais...

    0
  • wenderson lambert pouso alegre - MG

    Vcs se esquecem de outros vetores que influenciam diretamente na climatologia de cada estação -- como a oscilação Antártica, a oscilação Maden Julian, o próprio Atlântico e mesmo a La Niña..., a circulação atmosférica é um sistema caótico e não segue um padrão pré-estabelecido que vcs tentam estabelecer. Agora querer confiar em modelos matemáticos e estáticos para querer prever como atmosfera ira comportar é um verdadeiro chute...

    0
  • Gilberto Rossetto Brianorte - MT

    Realmente, como o professor Sentelhas disse, as previsões não estão se confirmando. Os acertos deveriam ser de 80 a 90% nas previsões a curto prazo, mas o que se vê na prática, este ano, é que o erro é de 80 a 90%.

    1