DA REDAÇÃO: USDA faz cotações derreterem em Chicago

Publicado em 12/01/2012 14:04 e atualizado em 12/01/2012 16:32 1007 exibições


USDA: relatório surpreende mercado com aumento dos estoques finais da soja e redução para o milho. Pressão derruba forte cotações em Chicago nesta quinta-feira. Problemas climáticos na América do Sul devem ser definidos apenas em fevereiro e volatilidade continua no mercado.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês), divulgou nesta quinta-feira (12) seu primeiro relatório mensal de 2012 de oferta e demanda mundial dos grãos. O boletim surpreende o mercado com estimativas maiores para os estoques finais norte-americanos de soja, redução para o milho e derruba forte às cotações do complexo de grãos na Bolsa de Chicago.

Para o analista de mercado da Cerealpar, Steve Cachia, a instituição esperou a finalização total dos trabalhos de colheita no país para divulgar com exatidão a real situação para os estoques neste inicio de ano. O levantamento ainda não aponta possíveis perdas nos valores finais por conta da adversidade climática que as safras da América do Sul estão sofrendo.

Por outro lado, a queda brusca das cotações no pregão diurno na CBOT é considerada exagerada neste momento. Diante dos números, operadores se posicionam em movimento de venda a fim de garantir lucros, mas traders retomam apetite para compra de produto. Não notificado, mais de 500 mil toneladas foram compradas por um país não divulgado. Vale lembrar que os preços vinham suportados nos últimos dias, com tendência altista.

Cachia avalia o cenário como cauteloso para os produtores que ainda não negociaram em bolsa sua safra, na espera de altas maiores do que as registradas nos últimos meses de 2011. Em termos de valores, ele afirma que a expectativa continua baixista para o curto prazo e muita volatilidade deve acontecer durante os próximos meses do ano.

Vale lembrar que regiões produtoras da Argentina e do Brasil sofrem influencia do fenômeno climático La Niña e perdas na produtividade final começam a ser previstas. Há previsão para os próximos dias de que a seca continue sobre áreas argentinas, mesmo após receberem boas chuvas na última semana.

O USDA ainda aguarda o início da colheita nestes importantes países sul-americanos de produção de soja e milho, entre outro, e deve começar a quantificar os volumes em seu próximo relatório de fevereiro. O analista acredita que até lá haverá muita emoção no mercado.

Por:
Juliana Ibanhes
Fonte:
Redação NA

0 comentário