DA REDAÇÃO: USDA surpreende e impulsiona fortes ganhos em Chicago

Publicado em 30/03/2012 13:37 e atualizado em 30/03/2012 16:53 875 exibições
Grãos: USDA surpreende e impulsiona ganhos elevadíssimos em Chicago nesta sexta-feira. Área e estoques de soja são reduzidos, definindo um cenário muito positivo no curto, médio e longo prazos. Já o milho terá aumento significativo na área, potencial produção recorde, somada à entrada da safrinha do Brasil, traçando tendência de pressão para os próximos meses. Trigo acompanha altas.
O relatório do USDA divulgado na manhã desta sexta-feira (29) surpreendeu o mercado de maneira positiva para os produtores. Isso porque a redução de área da produção norte-americana de soja em 1,4% – percentual aparentemente pequeno – puxaram altas de, em média, 50 pontos durante a sessão na CBOT.

A safra dos Estados Unidos ficará, na opinião do consultor Carlos Cogo, entre 86 ou 87 milhões de toneladas. O volume não aliviaria a situação de oferta mundial, pois os norte-americanos deverão sofrer pressão de compra muito maior do que a natural, em função da quebra sul-americana e da demanda chinesa.

A China, aliás, voltou às compras da oleaginosa, que cresceram 14% no acumulado de janeiro a março. Há uma combinação de fatores que proporcionam um cenário altista para a soja, que se sustentará no curto, médio e longo prazos. 

Milho – A forte alta do milho desta sexta-feira esteve ligada à queda inesperada de 8%, em relação ao mesmo período do ano passado, nos estoques do país. A notícia ruim é que o mercado deve devolver rapidamente esses ganhos, assim que precificar o potencial de aumento da safra norte-americana.

De acordo com Cogo, a produção de milho será grande. Com área plantada 4,4% maior nos EUA, equivalendo a 38,8 milhões de hectares, a maior desde a década de 30, o potencial de produção deverá ser muito elevado, “próximo de 375 a 380 milhões de toneladas”, afirma.
No Brasil, a segunda safra deve ser da ordem de 29 milhões de toneladas. A safra do país pode gerar uma pressão de baixa em meados de 2012, visto que boa parte dela ainda não está fixada pelos produtores paranaenses e mato-grossenses.

Trigo - Ancorando nos demais mercados de Chicago, o trigo registrou expressivas altas durante a sessão. No entanto, os estoques em nível global – maiores dos últimos 10 anos – além da previsão de aumento de 2,8% na área dos Estados Unidos impedirão que haja potencial altista no médio prazo.
Por:
João Batista Olivi e Fernanda Cruz
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário