DA REDAÇÃO: Feijão tem perda de 90% em Unaí (MG) após seca em dezembro

Publicado em 15/01/2013 16:22 e atualizado em 15/01/2013 17:57
937 exibições
Safra 2012/13: Em Unaí (MG) safra de feijão tem perda de 90% após seca de dezembro. Milho também registrou perdas e foi replantado. Para a soja precoce prejuízos chegam a 20% da produção. Chuvas retornaram nesta semana ao município e expectativa é de que apresentem bom volume até o fim de janeiro.
Em Unaí (MG) lavouras passaram por 40 dias de seca e altas temperaturas. Segundo o produtor rural, Hélio Oscar Machado, perdas para o feijão chegam a 90% da produção. Feijão plantado no início das chuvas, em novembro, estava florescendo no veranico, afirma.

Estiagem durou todo o mês de dezembro e parte de janeiro prejudicando ainda milho e soja no município. De acordo com Machado, lavouras de milho em praticamente sua totalidade foram replantadas ou tiveram suas áreas destinadas a outras culturas. Produtividade do milho - vai cair. Tem lavoura que foi dessecada para replantio ou plantar outra cultura, explica. Para a soja, perdas atingem principalmente variedades precoces e quebra chega a 25% da produção estimada.

Nesta semana, chuvas retornaram ao município e, de acordo com previsões climáticas, tendem a continuar em bom volume até fevereiro, favorecendo boa recuperação para lavouras, principalmente para a soja.
Por: Ana Paula Pereira
Fonte: Notícias Agrícolas

2 comentários

  • Marcio de Oliveira e Silva Carmo do Paranaíba - MG

    Na região do alto paranaíba as perdas são significantes mais o feijão foi drasticamente prejudicado o veranico foi muito forte e alem disso a área de plantio já foi muito menor, também o ataque de lagartas e mosca branca está alto e agora as chuvas chegaram quando as poucas lavouras estão granando com baixa produtividade e a antracnose e mancha angular pode acabar com o resto.

    0
  • geraldo emanuel prizon Coromandel - MG

    As perdas também são grandes para o feijão em Coromandel-MG (região do Alto Paraníba), devido a essa mesma estiagem e ao ataque de pragas (lagarta da vagem). Estima-se perdas da ordem de 50%.- Geraldo Prizon Em 16/01/2013

    0