DA REDAÇÃO: No MS conflito entre índios e produtores rurais continua

Publicado em 17/05/2013 13:21 e atualizado em 17/05/2013 16:04 691 exibições
Risco de conflito entre produtores e indígenas é iminente na fazenda Cambará (MS). Em apoio ao proprietário, cerca de 200 produtores já estão no local e a previsão é que cheguem mais 300 agricultores devem chegar à propriedade. Prazo para índios desocuparem o local acaba amanhã às 15h.

Há dois dias, em Sidrolândia (MS), 3 fazendas foram invadidas por índios terena e os produtores permanecem presos em suas casas. Vanth Vanni Filho, proprietário da fazenda Cambará, que também sofre com a invasão, diz que cerca de 200 produtores do estado já chegaram à fazenda para ajudar a pressionar a justiça a cumprir o prazo de reintegração de posse que vence nesse sábado (18) às 15h.

Vanni Filho afirma que eles estão preparados caso haja algum conflito e as autoridades não tomem as devidas providências para a retirada dos índios.  Segundo o produtor alguém precisa deliberar para os dois lados para que ambos fiquem bem.  “Não sei por que estão criando esse conflito, nós somos um país da América do Sul, onde esse tipo de conflito nunca existiu”, completa.

Em Sidrolândia, nas fazendas Cambará, Buriti e Nossa Senhora Aparecida há ocupação de índios e a Funai ainda está tentando derrubar a decisão judicial de reintegração de posse. O clima na região é tenso e a cada momento a situação fica menos tranquila. Vanni Filho diz que o poder judiciário e a polícia federal ficam adiando a solução do conflito e que eles são os responsáveis por essa situação.

A Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso do Sul (Famasul) está apoiando e orientando os produtores da região, enquanto a Funai declarou em nota oficial que os 350 índios que estão nas fazendas não possuem armas de fogo, apenas fogos de artifício. A Funai reconhece também que a o clima no local é tenso, mas que não houve nenhum tiroteio e a polícia federal já está ciente de todos os acontecimentos.

Por:
João Batista Olivi e Paula Rocha
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário