DA REDAÇÃO: Com excesso de chuvas, produtores do PR interrompem colheita do milho safrinha

Publicado em 25/06/2013 13:45 e atualizado em 25/06/2013 17:51 343 exibições
Clima: Confira a previsão do tempo para as principais regiões produtoras do país. Acompanhe a participação de produtores com perguntas sobre o comportamento climático por todo o Brasil.

O tempo permanece instável na região do Centro-Sul do país. A tendência é que as chuvas permaneçam estacionadas em SP, MS e toda a região sul, especialmente, no PR, nos próximos dias. No Nordeste, as chuvas continuam ao longo da costa. O excesso de precipitações suspendeu a colheita no milho safrinha no Paraná. 

A previsão climática aponta chuvas para os estados de SC, PR, SP e MS nesta quarta-feira (26). Enquanto isso, em grande parte de MG, RS, ES, interior do Nordeste, GO, MT e TO o tempo continua seco amanhã e nos próximos dias, conforme explica a meteorologista da Somar Meteorologia, Desirée Brandt.

“A frente fria não pretende avançar para essas áreas e mesmo que isso aconteça irá chegar sem umidade e dificilmente provocará chuvas. Os mapas indicam precipitações concentradas entre os dias 25 de junho a 01 de julho, nos estados do PR, SP e MS. Já no período de 2 a 8 de julho as chuvas devem ganhar forças no RS”, afirma Desirée.

Durante essa semana, as precipitações mais intensas devem acontecer no interior do PR, entre hoje e amanhã. A expectativa é que chova entre 150 mm e 200 mm. No entanto, as chuvas deverão perder força ao longo da semana, e a perspectiva é que haja janelas com tempo mais firme na região, situação que poderia contribuir para os produtores rurais.

“Na cidade de Amambaí (MS) no sul do estado, as chuvas intensas deverão ser registradas entre hoje e amanhã. Depois passaremos por um período de tempo mais seco no início no mês de julho. Por enquanto, não há previsões de geadas, uma vez que as temperaturas não devem ficar abaixo de 7ºC”, ressalta Desirée.

A meteorologista ainda alerta, que as chuvas vindas da Amazônia podem ficar irregulares neste ano, cenário que poderá atrasar as chuvas no segundo semestre.

Por:
João Batista Olivi// Desirée Brandt//Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário