DA REDAÇÃO: Boi – Tendência é altista para o mercado no período de entressafra

Publicado em 29/07/2013 13:16 e atualizado em 29/07/2013 14:39
508 exibições
Boi: Tendência para o mercado do boi gordo é de alta. O período é de entressafra e a maioria dos bois ainda são de pasto. Com chuvas cada vez mais raras e espaçadas, pastagem está bastante comprometida, sobretudo com onda de frio na última semana. Mas a oferta de animais é mais apertada este ano.

No mercado do boi gordo os preços permanecem estáveis, entretanto, a tendência é altista para o mercado. Com as geadas da última semana e o frio, as pastagens estão bastante comprometidas e a expectativa é que as chuvas se tornem cada vez mais raras e espaçadas. No MS, as pastagens já estão bem amareladas.

“Vai faltar boi, então os preços têm que subir como reflexo dessa falta até o pico da entressafra, entre os meses de outubro e novembro. A onda de frio veio para pressionar o pecuarista liberar um pouco de boi”, diz a analista de mercado da FCStone, Lygia Pimentel.

A analista ainda explica que este ano a oferta de animais é mais apertada, devido também à demanda dos frigoríficos. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) os abates apresentaram um crescimento de 13% no primeiro trimestre deste ano, em relação há anos anteriores.

“Hoje, a situação é mais complicada, as margens dos frigoríficos pioraram. Com a carne frouxa perdemos o ímpeto de alta mais que pode se transformar no começo no mês de agosto, com a volta às aulas, Dia dos Pais, pode dar um gás e trazer um ímpeto de alta”, sinaliza Lygia.

Paralelo a esse cenário, a analista destaca que se os preços do boi registrarem uma melhora e os custos de produção permanecerem estáveis irão contribuir para os pecuaristas que tem confinamento e pretendem liberar os animais nos próximos meses. No entanto, a analista alerta para a concentração de bois que podem ser ofertados entre setembro e outubro.

“Essa situação pode acumular os animais e atrapalhar o ímpeto de alta, mas para quem se protege com ferramentas financeiras isso não é muito preocupante”, diz Lygia.

Por outro lado, a analista relata que os preços dos grãos, especialmente o milho, estão mais baixos, porém não nos níveis que os pecuaristas esperavam o que mantém as margens do confinamento pressionadas. “Poderia estar pior, principalmente se considerarmos o diferencial de base para GO em torno de 10% de desvalorização da arroba frente ao preço de SP, 10% é um valor bastante considerável”, finaliza a analista.

Por: João Batista Olivi/Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário