DA REDAÇÃO: Nesta tarde soja devolve ganhos conquistados durante pregão eletrônico

Publicado em 09/08/2013 13:32 e atualizado em 09/08/2013 15:06
343 exibições
Grãos: Mercado recua e devolve parte dos ganhos que tinha adquirido na manhã desta sexta-feira (9). Expectativas para o relatório de oferta e demanda do USDA, que será divulgado na segunda-feira (12), contribuem para o ajuste das posições. A produtividade da safra nova nos Estados Unidos continua com expectativas positivas.

Na tarde desta sexta-feira (9), o mercado da soja devolve os ganhos conquistados durante a manhã, quando estendia o movimento iniciado na sessão de ontem (8) devido a ajustes de posições dos traders em relação às expectativas sobre o relatório do USDA, que será divulgado na próxima segunda-feira (12).

“Muitos desses participantes vinham ajustando as posições depois das fortes quedas que o mercado sofreu, então acabou ocorrendo um repique, mas as perspectivas em termos de produtividade para a safra nova dos EUA ainda continuam extremamente positivas”, afirma o analista de mercado, Stefan Tomkiw.

A transição do mercado de um cenário de estoques apertados para uma boa perspectiva de recomposição mantém uma volatilidade nas cotações. Além disso, o mercado vem sofrendo uma pressão recente devido a perspectivas climáticas positivas. Porém, ainda existe algum receio sobre o clima em relação à segunda quinzena de agosto. Alguns analistas comentavam que a geada pudesse afetar as lavouras dos EUA no final do seu desenvolvimento, mas as indicações climáticas começam a mostrar que haverá um retorno de temperaturas levemente altas no final do mês, o que retira o receio das lavouras serem prejudicadas por uma geada.

Milho: A fase mais importante em termos de clima para o milho já está basicamente concluída, com isso as perspectivas são extremamente positivas e o mercado só aguarda a validação dessas expectativas com os números do USDA na próxima segunda-feira (12).

Trigo: Mesmo com a demanda aquecida, o trigo ainda segue com um mercado pressionado frente à perspectiva de uma boa produção mundial.

Por: João Batista Olivi e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário