DA REDAÇÃO: Com fundos realizando compras, soja opera em alta na Bolsa de Chicago

Publicado em 15/08/2013 13:27 e atualizado em 15/08/2013 15:31
583 exibições
Grãos: Mercado está um pouco mais forte com prêmio de clima sendo adicionado aos preços futuros. Último relatório do USDA, que diminuiu o número da produtividade da safra norte-americana, também influencia cotações. Analista aconselha o produtor brasileiro a aproveitar momento de alta do mercado para continuar negociando a safra.

Nesta quinta-feira (15), a soja opera em alta na Bolsa de Chicago com fundos adicionando compras. Após o relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos EUA) divulgado na última segunda-feira (12), em que a produtividade das lavouras do país foi reduzida, os fundos começaram a realizar mais compras. Além disso, as condições climáticas nos EUA mudaram e há um prêmio de clima sendo adicionado aos preços, o que também deixa o mercado mais firme.

Assim como a soja, o milho e o trigo também operam em alta. Esse é um bom momento para o produtor brasileiro, já que as cotações em Chicago e alta no dólar contribuem com as vendas. O analista de mercado, Daniel D Avila, aconselha aos agricultores a irem vendendo aos poucos para conseguirem um preço bom no final.

“É difícil determinar até quando o mercado continuará em alta porque as condições climáticas podem mudar de um dia para o outro e os mesmos fundos que estão comprando nos últimos dias podem entrar liquidando parte das posições. Isso já pode acontecer amanhã, já que às sextas-feiras normalmente há alguma realização e, como os fundos compraram todos os dias desta semana, pode ser que vendam um pouco amanhã. Porém, acredito que esta safra dará renda aos produtores brasileiros”, afirma Daniel.

O USDA diminuiu a sua estimativa para a produção de soja norte-americana baseado em uma média dos últimos 5 anos, mas isso levou em consideração uma produtividade muito baixa do ano passado, ou seja, o USDA estimou para baixo a produção americana, no entanto ela poderá ser maior.

Daniel diz que se o clima ficar ruim nos EUA, as lavouras podem perder um pouco, mas isso não significa que a produção será menor ainda, mantendo o número em torno de 88 milhões de toneladas, o que continua sendo uma boa produção: “O USDA ainda estima que a China irá comprar 69 milhões de toneladas de soja, um aumento de 10 milhões de toneladas em relação ao ano passado. Porém, não acredito que esse aumento será em um volume de 10 milhões/ton, o que dá espaço para o mercado fazer ajustes mais a frente”.

Por: João Batista Olivi e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário