DA REDAÇÃO: Com previsão climática adversa para a nova safra dos EUA, soja registra forte alta na CBOT e tendência continua

Publicado em 23/08/2013 18:59 e atualizado em 23/08/2013 19:46
2368 exibições
Soja: Semana termina com alta de mais de 40 pontos para a soja em Chicago. Crop Tour já verifica quebra na produtividade da soja e do milho em importantes regiões produtoras dos EUA, previsão climática também não é favorável para os próximos dias e a tendência segue de forte alta para os preços.

Os contratos futuros da soja terminaram a sexta-feira (23) com altas de mais de 40 pontos nos principais vencimentos negociados na Bolsa de Chicago. O vencimento novembro, referência para a safra norte-americana, terminou o dia valendo US$ 13,28 por bushel, subindo 41,25 pontos. Com as atenções voltadas para o clima adverso nos Estados Unidos, a semana terminou com registro de bons ganhos.

O Crop Tour Pro Farmer informou que a safra de milho dos EUA 2013/14 deverá ser de 341,9 milhões de toneladas, abaixo da projeção do Departamento de Agricultura do país (USDA) de 349,73 milhões de toneladas. Já a produtividade ficou em 163,15 sacas por hectare, praticamente em linha com 163,42 sacas por hectare do USDA.  

Já para a soja, a Pro Farmer acredita em uma produção de aproximadamente 85,95 milhões de toneladas, ante a última estimativa do USDA de 88,59 milhões de toneladas. Para a produtividade média das lavouras de 47,4 sacas por hectares, frente ao estimado pelo USDA em 48,3 sacas por hectare. 

Segundo o analista de Agrosecurity, Fernando Pimentel, os mapas climáticos apontados por meteorologistas norte-americanos preevem que, apesar da chuva registrada na última quinta-feira (22) no Cinturão de Grãos dos EUA, o clima deve continuar quente e seco pelos próximos dias, período determinando para o final do desenvolvimento dos grãos no país. 

Para evitar prejuízos, o tour constata uma estimativa de 730 mil hectares de milho e 323,76 mil hectares de soja em Iowa e Minnesota que os produtores abandonaram para garantir o seguro agrícola do governo. 

Para a próxima semana, com a previsão de clima ainda muito adverso sobre as lavouras, a tendência é de que os preços subam ainda mais no mercado internacional. Pimentel avalia ainda que, com as perdas, o próximo relatório de oferta e demanda do USDA, com números sobre o rendimento da nova safra deve ter os números bastante reduzidos. 

 

Por: João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário