DA REDAÇÃO: USDA confirma baixo rendimento das lavouras norte-americanas; cenário favorece brasileiros

Publicado em 26/08/2013 19:04 e atualizado em 26/08/2013 19:49
1554 exibições
Soja: Em novo relatório, USDA confirma o baixo rendimento das lavouras tanto de soja, quanto de milho. Formação de vagens está sendo afetada pela forte onda de calor no Meio-Oeste americano. No milho, preços sobem na bolsa e melhoram nível para exportação.

Em um novo dia de expressivas altas na Bolsa de Chicago, o mercado internacional da soja ainda enxerga as elevadas temperaturas e o clima muito seco no Meio-Oeste dos Estados Unidos como extremamente prejudicial para o desenvolvimento das lavouras de soja e milho. Na sessão desta segunda-feira (26), as cotações da soja bateram o limite de alta de 70 pontos, nas posições mais negociadas. No caso do milho, os ganhos foram de mais de 30 pontos e no trigo, os preços exibiram altas de mais de 20 pontos. 

Ao final do dia, após o encerramento do pregão regular, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) divulgou seu novo relatório semanal de acompanhamento de safra, confirmando o baixo rendimento das lavouras norte-americanas. A soja, em uma semana, caiu de 62 para 58% o índice em boas ou excelentes condições, de 10 para 13% as em condições de ruins ou muito ruins. 

No caso do milho, as lavouras em boas ou excelentes condições também recuaram de 61 para 59%. Do mesmo modo, as plantações do cereal em condições ruins ou muito ruins passaram de 14 para 13%. 

Na avaliação do consultor de mercado, Vlamir Brandalizze, o clima segue dando o suporte para os preços internacionais, visto que previsões climáticas para os próximos dias ainda apontam para temperaturas elevadas e seco, prejudicando assim o desenvolvimento final das vagens de soja. Este é, portanto, o que já era esperado para o mês de agosto, mas mais prejudicial às lavouras que foram plantadas com atrasados. 

No Brasil, tanto para a soja quanto para o milho, a possibilidade de perdas na produção final dos EUA tem impulsionado os preços internos a subir cada vez mais. Ajudado pelo dólar mais alto, a possibilidade de lucros mais com o cenário externo tem ajudado os produtores a avançar com a comercialização.

No caso do milho, os níveis de exportação tem sido ainda mais favoráveis do que escoar a super safrinha através dos leilões oferecidos pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Pra Brandalizze, o ideal é que o produtor aproveite os bons níveis de preços para garantir lucros ainda maiores nesta temporada. Assim, para quem previa um segundo semestre de pouca rentabilidade aos produtores de milho, tem agora uma nova possibilidade e um bom resto de ano pela frente.

 

Por: João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário