DA REDAÇÃO: Fundação Procafé denuncia exportação de sementes com novas tecnologias

Publicado em 29/08/2013 13:14 e atualizado em 29/08/2013 17:40
452 exibições
Café: Fundação Procafé denuncia exportação de sementes com novas tecnologias que podem dar vantagem competitiva para produtores de paises concorrentes. Preços absurdamente baixos não reagem porque Governo não libera leilões de opção.

A Fundação Procafé possui um dos melhores bancos de hemoplasmas do Brasil, que fica em uma fazenda experimental em Varginha (MG). Nos últimos anos, foram lançadas mais de 10 novas variedades de café resistentes a ferrugem, nematóide e bicho mineiro. A variedade acauã é resistente à ferrugem, bicho mineiro e a seca e também é mais produtiva do que as demais variedades plantadas.

Além disso, a Fundação também desenvolve um trabalho de biotecnologia, em que a multiplicação do café é realizada pela folha, sendo que com uma folha se faz de 5 a 10 mil plantas. Essas plantas já estão dominadas na parte de laboratório e agora estão sendo levadas para o campo para competir com as variedades já existentes no mercado.

No entanto, essas sementes de café, principalmente as novas variedades resistentes à seca, estão sendo exportadas a países concorrentes. O Presidente da Fundação Procafé, José Edgard Pinto Paiva, diz que isso é imperdoável: “Essas sementes demoraram cerca de 40 anos para serem desenvolvidas e são exportadas para países concorrentes, não sei se de forma legal ou ilegal, mas isso prejudica os produtores brasileiros, que já são muito sacrificados, e, se nós não tivermos produtividade e plantas resistentes a pragas e doenças para reduzir os custos de produção, o Brasil não terá como competir”.

A Fundação Procafé já denunciou essa prática a cooperativas, sindicatos e ao Ministério da Agricultura e alertaram também a sociedade para que as medidas necessárias sejam tomadas.

Por: João Batista Olivi e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário