DA REDAÇÃO: Capim Sudão lançado pela Embrapa pode aumentar a produtividade do gado de corte e de leite

Publicado em 29/08/2013 14:00 e atualizado em 29/08/2013 17:29
3776 exibições
Pecuária: Novo cultivar de verão , o capim sudão para pastejo, está sendo lançado para a utilização nos estados da região Sul e tem maior flexibilidade de manejo e ciclo de produção mais longo.

A Embrapa acaba de lançar uma nova cultivar de verão, a BRS estribo de Capim Sudão para pastejo. Alexandre Costa Varella, chefe-geral da Embrapa Pecuária Sul, explica que esta é uma forrajeira de verão anual que pode ajudar a aumentar a produtividade dos pecuaristas. “A pesquisa foi desenvolvida para adaptação à região sul do Brasil, perfeitamente utilizável nos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná”.

Ele explica que existem vários capins sudão, que é originário no continente africano, mas que são materiais comuns, diferentes da cultivar lançada pela Embrapa. “Essa é a primeira cultivar registrada e certificada no Ministério da Agricultura e está sendo lançada pela Embrapa numa parceria com a Associação de Produtores de Sementes Forrageiras e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul”. 

Varella explica que esta cultivar tem maior flexibilidade de manejo pelos produtores, elevada qualidade, ciclo mais longo de produção, pode ser semeada com mais antecedência em relação ao milheto e sorgo forrageiro e é perfeitamente utilizável no sistema de produção de gado de leite e de corte. “O capim sudão pode ser usado em pastejo rotativo, continuo, sucedendo pastagens de inverno... Ela complementa todo um ciclo de produção pastoril do sistema de produção de leite e de corte”, ele acrescenta que, se for bem manejado, com elevada fertilidade de solo, o capim pode trazer alta produtividade para o produtor de gado de corte e de leite.

Comercialização
Alexandre Costa Varella informa que a nova cultivar pode ser encontrada nos três estados da região sul do Brasil. Os endereços de comercialização podem ser encontrados nos folders da Embrapa.  

Por: João Batista e Fernanda Bellei
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário