DA REDAÇÃO: Na expectativa de novo relatório do USDA, mercado da soja se ajusta neste começo de semana

Publicado em 09/09/2013 19:05 e atualizado em 09/09/2013 20:02
1244 exibições
Grãos: Na expectativa do novo relatório do USDA, mercado realiza lucros em Chicago. Rendimento das lavouras caiu ainda mais esta semana e perdas para a soja serão irreversíveis. Colheita do milho já começou em algumas regiões do Corn Belt.

Na expectativa do novo relatório de oferta e demanda que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) irá divulgada na próxima quinta-feira (12), o mercado já vem se ajustando e terminou a segunda-feira (09) em movimento de realização de lucros na Bolsa de Chicago. Os futuros do milho e do trigo também recuaram.

No caso do milho, a pressão sobre os preços deve aumentar daqui para frente, uma vez que a colheita do cereal começou em algumas regiões do Corn Belt norte-americano. Apesar dos problemas enfrentados com a seca, o milho não tem previsão de perdas muito severas na produtividade, assim como o mercado já calcula para a soja que está em fase final de enchimento dos grãos.

No final do dia, o USDA reportou seu relatório semanal de acompanhamento de safra, onde as lavouras de soja em boas ou excelentes condições caíram de 54 para 52%. Em situação regular, se encontram 32% das plantações, enquanto que na semana passada esse índice era de 31%. Já as lavouras em condições ruins ou muito ruins passaram de 15 para 16% em uma semana. 

No milho, 54% das lavouras estão em boas ou excelentes condições, número menor do que os 56% da semana anterior. O USDA informou ainda que 29% das lavouras estão em situação regular e 17% em condições ruins ou muito ruins. Na semana anterior, esses números eram de, respectivamente, 28 e 16%. 

Segundo o analista da Safras & Mercado, Paulo Molinari, a tendência para os preços futuros do milho devem continuam pressionados para o milho, enquanto que para a soja, a expectativa de que o volume produzido nesta temporada não será suficiente para repor os estoques norte-americanos, mantém uma tendência positiva diante desses fundamentos climáticos.

No Brasil, o dólar mais alto tem ajudado os produtores a avançar na comercialização da próxima temporada. Até o último dia 06, os sojicultores brasileiros comercializaram de forma antecipada 25% da safra 2013/14, apontou a consultoria Safras e Mercado, ante 17% no relatório anterior. Na safra atual, a comercialização chegou a 89% da soja colhida. 

 

Por: João Batista Olivi e Juliana Ibanhes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário