DA REDAÇÃO: FPA pressiona governo para instalação da PEC 215

Publicado em 10/09/2013 14:26 e atualizado em 10/09/2013 16:20
484 exibições
Ministro do STF não irá agilizar o julgamento dos embargos da Raposa Serra do Sol. Supremo está mais preocupado em resolver os assuntos relacionados ao Mensalão. Expectativa de instalação da PEC 215 traz mais ânimo à bancada ruralista quanto à questão das demarcações de terras indígenas.

Nesta última segunda-feira (9), parlamentares se reuniram com o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, para tratar a questão indígena no país.

Segundo o Deputado Federal, Jerônimo Goergen (PP/RS), é um erro apostar que a questão indígena será solucionada pelo STF: “O Ministro está tomando conhecimento do processo, mas ele não irá acelerá-lo, principalmente porque o foco do STF nesse momento é o mensalão. Com isso, temos que trabalhar cada vez mais no aspecto do Congresso Federal, seja em relação a PEC 215, sobre a qual há uma expectativa de ser instalada hoje (10), ou em relação a regulamentação do artigo 231, que resolve o problema das demarcações de terras indígenas no Brasil.

O Ministro do STF deixou claro que no máximo em 10 dias sairá a sua decisão sobre o pedido de liminar de não instalar a PEC 215, mas ainda não se sabe qual rumo essa questão tomará, uma vez que há 15 dias o Ministro já havia garantido pela quarta vez que traria essa alteração da Funai envolvendo outros órgãos, mas isso não aconteceu.

Goergen afirma que a FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária) continuará pressionando para que hoje (10) aconteça a instalação da PEC 215 conforme o prometido, até porque isso já vem sendo prorrogado há algum tempo.

Na próxima quarta-feira (11), parlamentares se reunirão com a Ministra-Chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que também convocou o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo o Advogado-Geral da União, Luís Inácio Adams, o Ministro da Agricultura, Antonio Andrade e o Ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, para decidir um rumo definitivo para a questão indígena no país.

O Deputado Federal, Jerônimo Goergen, diz que se não houver algo mais concreto por parte do governo, a FPA entrará em uma estratégia de mobilização e de fortalecimento da posição dentro do Congresso para pressionar a votação dos assuntos relacionados à questão indígena.

Por: João Batista Olivi e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Almir José Rebelo de Oliveira Tupanciretã - RS

    A espionagem externa começou no Brasil desde a época do descobrimento. Mas a vasculhagem Americana e Inglesa beira o deboche. Nossa soberania foi para o beleléu há muito tempo. Mas fico impressionado com nossa ingenuidade. Ainda não nos demos conta de que a espionagem mais cruel contra o Brasil é realizada pelo ambientalismo-indigenista internacional ou não, que usam mão de obra brasileira para devassar o desenvolvimento brasileiro não somente na Petrobras, mas principalmente não deixando aumentar áreas de produção ou impedindo que novas tecnologias faça de nosso país o celeiro do mundo. O Ambientalismo já aparelhou o Governo, o Judiciário, a Imprensa brasileira. Na questão indígena, os ambientalistas usaram o governo para acabar com a CPI que escancararia a espionagem internacional no governo, ministério público, judiciário.... O pior é o Congresso Nacional não ter independência nem dever cívico e amor á Pátria tendo atitudes frouxas, se subordinando a pressões mesquinhas. Nos conclamam a nos mobilizarmos para viabilizarmos CPIs. Porque não boicotam votações importantes caso o governo não suspendam as demarcações? O Governo não responde por nada obedecendo quem? As ONGs! Onde anda o Ministro da Agricultura? A Agricultura sustenta o país mas não tem ministério nem ministro! Ele vai ficar até março, fazendo o que se não existe até agora! A agricultura brasileira não merece isso! Daí João Batista, ficamos nós esbravejando e a espionagem através da Funai dizendo que não vão obedecer Deputado. Se eu fosse Deputado e não conseguisse aprovar uma PEC 215 a favor do Brasil eu renunciaria por não corresponder a confiança do eleitor e o dever de defender a Pátria. Provavelmente somente eu faria isso, mas faria. Portanto produtor brasileiro, nossa saída é nossa mobilização e isso somente acontecerá se invadirem todas as nossas propriedades, enquanto for a do vizinho, nós não temos nada com isso. Pobre Brasil!!!

    0