DA REDAÇÃO: Soja recua na CBOT frente à pressão sazonal

Publicado em 26/09/2013 13:36 e atualizado em 26/09/2013 17:37
440 exibições
Soja: Preços têm leves baixas em Chicago nesta quinta (26), porém, são limitadas por conta de estoques mais baixos e da demanda expressiva, principalmente da China. Apesar de previsão de preços mais pressionados nos próximos meses por conta do avanço da colheita nos EUA, safra nova deverá ser rentável para o produtor brasileiro.

No momento, os preços da soja na Bolsa de Chicago enfrentam uma pressão sazonal de baixa devido à entrada da safra dos EUA. No entanto, o produtor brasileiro terá uma safra rentável, uma vez que os preços para o ano que vem são diferentes deste ano em relação ao dólar, que vem dando suporte às cotações no Brasil.

De acordo com o consultor de mercado, Glauco Monte, o mercado está em um período em que sazonalmente há uma pressão de venda por parte dos produtores norte-americanos, que, até 3 semanas atrás, estavam pouco vendidos e avançaram com a comercialização a partir da pressão de entrada da safra.

No entanto, há um limite para essa queda devido aos estoques mais baixos, principalmente nos EUA. Além disso, a China continua no mercado e tem demonstrado um grande apetite, o que pode dar suporte aos preços.

Glauco afirma que as primeiras sojas colhidas nos EUA tiveram rendimentos acima do esperado, mesmo as que sofreram com a seca. O clima também está um pouco mais seco, o que é favorável para a colheita, com boas janelas para o produtor avançar: “A safra norte-americana já está consolidada e deve ter uma produção em torno de 85 milhões de toneladas e, nos próximos meses, o mercado tem que avaliar a demanda”.

Após a entrada da safra norte-americana, o mercado deve focar na safra brasileira, que está começando o plantio e ainda tem muita coisa para acontecer. Segundo Glauco, os preços só ficarão mais pressionados do que nesse momento caso o Brasil tenha uma safra recorde juntamente com a consolidação da safra dos EUA.

Por: João Batista Olivi e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário