DA REDAÇÃO: No MT, plantio de soja está atrasado devido à baixa umidade do solo

Publicado em 02/10/2013 13:37 e atualizado em 02/10/2013 16:07
484 exibições
Soja: No Mato Grosso, produtores que precisam plantar algodão entre dezembro e janeiro já inicia trabalhos com a soja mesmo sem o volume necessário de chuvas. Ao mesmo tempo, produtor que faz safrinha de milho ainda espera por precipitações suficientes para iniciar o plantio. No mercado internacional, investidores ainda observam o ajustado quadro de oferta e demanda para encontrar sustentação.

No Mato Grosso (MT), o produtor que planta algodão após a soja não espera as chuvas e já inicia o seu plantio de soja a partir do dia 15 de setembro para colher o grão até dezembro e começar o plantio de algodão em janeiro. Por outro lado, o pequeno produtor que, posteriormente, não planta algodão e sim safrinha de milho, aguarda a umidade adequada no solo para não correr o risco de perder as sementes de soja. Esse produtor tradicional está com o plantio atrasado, uma vez que, por enquanto, as chuvas estão esparsas e apenas a região oeste do estado já realizou cerca de 3% do plantio, enquanto as demais áreas têm 1% de plantação no momento.

No mercado internacional, os fundos queriam derrubar os preços do contrato novembro para baixo de US$ 12,80/bushel para entrar comprando. Segundo João Birkhan, essa operações são especulativas porque os fundos querem derrubar o mercado em certos momentos, aproveitando os números que o USDA divulga: “No entanto, o fato é diferente, já que nunca houve um estoque tão apertado nos EUA e o mercado continua forte, por isso recomendamos ao produtor a não vender nesses momentos de baixa”.

No próximo ano a China deve importar de 8 a 10 milhões de toneladas de soja a mais do que este ano e o Brasil é o único lugar que irá aumentar a sua produtividade porque tem área para avançar. Porém, o país não consegue exportar mais do que atualmente devido a questões logísticas, com isso a China terá que comprar dos EUA, reduzindo ainda mais os seus estoques. Birkhan afirma que a safra nova que está entrando no mercado ficará mais apertada do que a última safra, por isso os produtores não devem vender soja abaixo de US$ 13,00/bushel.

Por: João Batista Olivi e Paula Rocha
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário