DA REDAÇÃO: Produtores do Paraná ficam surpresos sobre possível suspensão de defensivos agrícolas utilizados no plantio direto

Publicado em 03/04/2014 14:17 e atualizado em 03/04/2014 16:47 385 exibições
Produtores rurais ficaram surpresos e apreensivos com a possibilidade de suspensão de alguns defensivos agrícolas. Sem princípios ativos como o glifosato, sistemas como o plantio direto poderia ser inviabilizado.

 Na última semana, o Ministério Público Federal (MPF) pediu a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) a revisão de nove defensivos agrícolas importantes para o plantio direto. Entre as substâncias está o glifosato, utilizado para o combate de ervas daninhas. O Ministério da Agricultura (MAPA) enviou um parecer técnico alegando que esses defensivos podem ser utilizadas pelos produtores, por não serem prejudiciais à saúde e meio ambiente. De Londrina (PR), o gerente técnico da cooperativa Integrada, Irineu Baptista, comentou sobre o caso e o impacto da medida, que inviabilizaria o plantio direto. 
A notícia surpreendeu os produtores da região, visto que o Paraná é um dos precursores deste tipo de plantio e todos dos produtores de grãos utilizam a técnica. "O plantio direto tende a acabar se não tivermos glifosato ou um bom principio ativo com custo adequado pra controlar as ervas daninhas. Nós vamos ter que retornar ao arado", explica Irineu. 

 

Por:
João Batista Olivi // Sandy Quintans
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário